Sob risco, mulheres e meninas são 90% dos deslocados pela guerra na Ucrânia

Ucranianas estão expostas a riscos ligados ao gênero, como tráfico, violência sexual e falta de acesso a bens essenciais
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Cerca de dez milhões de pessoas já foram forçadas a sair de suas casas desde que a guerra na Ucrânia começou, sendo que mulheres e meninas representam 90% dos deslocados.  O número equivale a quase 25% da população ucraniana. 

Os dados foram apresentados pela diretora-geral da ONU Mulheres, Simas Bahous, que fez um apelo pelo fim imediato da guerra. Ao citar os números, ela destacou que as ucranianas estão “expostas a riscos relacionados ao gênero, como tráfico humano, violência sexual e acesso impedido a serviços e bens essenciais”. 

Segundo Bahous, já existem relatos de que alguns desses riscos estão ocorrendo. Por isso, ela apelou por uma “resposta urgente da comunidade internacional para garantir prioridade aos direitos e necessidades das mulheres e meninas” deslocadas pelo conflito na Ucrânia.  

A agência aproveitou a divulgação dos dados para convocar mulheres de ONGs locais e de nações vizinhas para ajudar, fornecendo apoio às ucranianas que estão arriscando suas vidas. Comida, abrigo, assistência legal, apoio de saúde mental e suporte em geral às que estão em fuga estão entre os serviços prestados.  

Crianças ucranianas que fugiram para a Romênia com a avó (Foto: Unicef/Ioana Moldovan)

A chefe da ONU Mulheres pede apoio a todas essas organizações e garantias de que sejam estabelecidos corredores humanitários, uma medida que, segundo ela, é “imperativa”. 

A ONU Mulheres reforçou o apelo do secretário-geral António Guterres por um cessar-fogo imediato. Além de fornecer serviços essenciais no terreno, a agência das Nações Unidas faz levantamentos para garantir que todos que trabalham na resposta ao conflito tenham os dados mais recentes e análises sobre as “dinâmicas de gênero durante a guerra e seus impactos” nos civis. 

Os especialistas da ONU Mulheres têm “experiência em investigar casos de abuso ou violência sexual e de exploração de mulheres e de meninas no contexto da guerra” e estão, inclusive, trabalhando em conjunto com a Comissão de Inquérito das Nações Unidas sobre a Ucrânia, estabelecida pelo Conselho de Direitos Humanos.  

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Tags: