No aniversário do desastre de Chernobyl, cresce o temor pela segurança no local

A extinta usina nuclear de Chernobyl e a cidade de Slavutich foram ocupadas por tropas russas por mais de um mês durante a guerra
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

No 36º aniversário do desastre de Chernobyl, na Ucrânia, o mundo está novamente preocupado com a segurança das usinas nucleares, em meio à invasão russa em andamento, que viu bombardeios em Chernobyl e em outras instalações nucleares no país.

A extinta usina nuclear de Chernobyl e a cidade de Slavutich, cujos moradores mantêm o local, que precisa de monitoramento constante para garantir que o material radioativo não vaze, foram ocupadas por tropas russas por mais de um mês.

Bogdan Serdyuk, presidente do sindicato que representa os trabalhadores da fábrica, lembra a batalha perto do local, que marcou o início da invasão russa, em 24 de fevereiro. “Os funcionários da estação ouviram o rugido do equipamento militar e logo o local foi cercado por tanques russos. Os rastros lançaram poeira contaminada, o que imediatamente aumentou a radiação de fundo”.

Parte danificada da usina nuclear de Chernobyl em maio de 2010 (Foto: Divulgação/Piotr Andryszczak)

Segundo ele, os russos desrespeitaram a lei ao atacarem a usina. “A estação tem unidades de segurança, especializadas em guerra antiterrorista, mas não foram páreo para as forças russas. E, de qualquer forma, existem regras que proíbem operações de combate no território de uma usina nuclear”.

O principal problema, de acordo com a equipe, foi que, como resultado do bombardeio, as linhas de energia foram danificadas e tanto Slavutych quanto a própria usina perderam energia. “A usina tem quatro unidades, incluindo a que foi destruída no acidente de 1986. Todo o combustível nuclear das três unidades que ainda funcionavam após a explosão foi removido e colocado em um depósito de lixo nuclear”, explica Serdyuk.

O maior problema, segundo ele, foi o corte da energia. “As varetas de combustível são armazenadas em água que circula para mantê-las frescas. No momento em que a energia foi desligada, todos ficaram preocupados se a água começaria a esquentar. Os especialistas acreditam que, se não circular, a água pode ferver e o combustível usado começar a derreter, com consequências imprevisíveis”.

Outro motivo de preocupação foi a segurança do sarcófago de proteção que contém o reator destruído da quarta unidade de energia e os restos de lixo nuclear. Danos ao sarcófago podem levar à fuga de poeira radioativa.

Evacuação da área

O trabalho em Chernobyl é realizado por cerca de 2,7 mil pessoas. A maioria vive em Slavutych, uma cidade satélite construída imediatamente após o acidente de 1986, a cerca de 50 quilômetros do epicentro do desastre.

Trabalhadores da usina nuclear com suas famílias, bem como moradores da cidade evacuada de Pripyat, e toda a zona de 30 quilômetros ao redor da estação afetada pela contaminação radioativa, foram realocados para lá.

Em tempos de paz, os funcionários da fábrica em Slavutych se deslocavam para o trabalho de trem, o que levava cerca de 45 minutos. No entanto, quando as linhas ferroviárias foram explodidas, a viagem de Slavutych levou oito horas, e os funcionários agora alternam, passando turnos de uma semana na fábrica, que não foi projetada para que pessoas morem no local.

“As usinas nucleares são projetadas para resistir a um impacto comparável em força a uma aeronave. Mas isso não é o mesmo que o bombardeio que ocorreu na usina nuclear de Zaporizhzhya”, adverte Slavutych, em referência a outra planta ucraniana ainda em funcionamento.

“A apreensão da usina nuclear de Chernobyl e o bombardeio da usina nuclear de Zaporizhzhya levantam a questão da segurança nuclear não apenas para a Ucrânia. As usinas nucleares não devem se tornar alvos dos militares, porque mesmo a destruição parcial pode levar a consequências catastróficas para o mundo inteiro”, diz ele.

Marcas do abandono em Chernobyl: parque de diversões é tomado por vida selvagem na zona de exclusão de Chernobyl. Registro de março de 2004 (Foto: CreativeCommons)

36 anos da tragédia

“Temos uma tradição em Slavutych. Todos os anos, de 25 a 26 de abril, nos mesmos minutos em que ocorreu o acidente de Chernobyl, nos reunimos perto das vítimas de Chernobyl”, diz Vladimir Udovichenko, prefeito da cidade. “Honramos silenciosamente a memória daqueles que protegeram a Ucrânia e o mundo inteiro de outras consequências terríveis do acidente. E hoje não vamos quebrar essa tradição. Não podemos permitir que uma tragédia dessas volte a acontecer.

Agora, Udovichenko pede ajuda internacional para evitar uma tragédia. “O que aconteceu em Chernobyl (após a invasão russa) e continua agora em Enerhodar (a cidade onde está localizada a fábrica de Zaporizhzhya) é inaceitável. Isso precisa ser interrompido e agora precisamos pensar no que pode ser feito para fortalecer a segurança dos usinas nucleares. Esperamos que especialistas da AIEA (Agência Internacional de Energia Atómica) trabalhem conosco”.

Uma equipe de funcionários da AIEA, liderada pelo diretor geral Rafael Mariano Grossi, está visitando Chernobyl, para entregar equipamentos e realizar avaliações radiológicas e outras na instalação. Equipamentos de proteção individual também serão entregues.

Além disso, especialistas da AIEA repararão os sistemas de controle remoto de dados instalados na usina, que os ocupantes desativaram, resultando na impossibilidade de o pessoal da AIEA na sede da Agência em Viena receber dados online de Chernobyl.

Desde o início da guerra, a AIEA expressou séria preocupação com a segurança das instalações nucleares da Ucrânia. De acordo com Grossi, deve-se garantir a integridade física das usinas nucleares, a capacidade do pessoal de trabalhar sem pressão excessiva e o acesso a fontes externas de energia.

Essas regras foram seriamente violadas nos últimos dois meses. Em março, a comunicação com a usina nuclear de Chernobyl foi perdida. A estação ficou sem alimentação externa e por vários dias foi necessário o uso de geradores a diesel de emergência.

“A presença da AIEA em Chernobyl será de suma importância para nossas atividades de apoio à Ucrânia, pois busca restaurar o controle regulatório sobre a usina nuclear e garantir sua operação segura e protegida”, disse Grossi. “Isso será seguido por missões adicionais da AIEA para esta e outras instalações nucleares na Ucrânia”.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente em inglês pela ONU News

Tags: