Ucrânia quer Chernobyl como Patrimônio Mundial da Unesco

Com status oficial, governo ucraniano quer transformar área marcada pela radiação em local de memória
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A Ucrânia quer o título de Patrimônio Mundial da Unesco para a região da antiga usina de Chernobyl. Com o título, o país poderá obter ajuda para gerenciar o turismo para região onde ocorreu em 1986 o que é considerado o pior acidente nuclear do mundo, apontou a AFP.

Apesar do tímido turismo às cidades da zona de exclusão, como Pripyat, a área não tem status oficial. Animais e folhagens já tomaram conta de muitos prédios, lojas e edifícios oficiais da era soviética.

Com o reconhecimento da Unesco, o governo ucraniano poderia recuperar parte dos escombros da radiação e, assim, impulsionar o local como atração turística, como o Taj Mahal da Índia ou o Stonehenge, da Inglaterra.

Ucrânia tenta consolidar Chernobyl como Patrimônio Mundial da Unesco
Marcas do abandono em Chernobyl: parque de diversões é tomado por vida selvagem na zona de exclusão, em março de 2004 (Foto: CreativeCommons)

Em 2019, 124 mil turistas visitaram a área após o sucesso da série de televisão de mesmo nome, lançada no ano passado. O número recorde ressalta a importância da região, conforme o primeiro-ministro ucraniano Oleksandr Tkachenko.

“Queremos promover essa zona de exclusão como um lugar de memória, para alertar contra a repetição de um desastre nuclear“, disse. “A área deve ser mais do que apenas um destino de aventura para exploradores”.

O governo da Ucrânia deve protocolar o projeto para lançar Chernobyl como patrimônio histórico até março, disse Tkachenko. A inclusão, contudo, pode ocorrer até 2023. A expectativa é que o número de visitantes chegue a um milhão por ano.

Evacuação por 24 mil anos

As autoridades ucranianas afirmam que a zona de exclusão não é segura para a vida humana pelos próximos 24 mil anos. A área corresponde ao país europeu de Luxemburgo.

Em abril de 1986, quando houve a explosão do quarto reator da usina nuclear, centenas de milhares de pessoas precisaram deixar suas casas em dezenas de cidades da Ucrânia e de Belarus.

Hoje cerca de 100 idosos vivem na área, apesar das ameaças de radiação. Os outros três reatores continuaram gerando energia até 2000, mas estão desativados desde então.

Tags: