Ucrânia tem mais de 875 mil refugiados vítimas da guerra, diz agência da ONU

Cerca de 52% das pessoas buscaram refúgio na Polônia. Restante foi para Hungria, Moldávia, Eslováquia, Romênia e até Rússia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A Acnur (Agência da ONU para Refugiados) anunciou nesta quarta-feira (2) a criação de um site com dados sobre a situação de refugiados provenientes da Ucrânia. A plataforma online havia registrado, até o momento do lançamento da página, quase 875 mil civis que abandonaram o país devido à ofensiva militar russa.  

Cerca de 52% dos ucranianos buscaram refúgio na Polônia, enquanto o restante alcançou outros países como Hungria, Moldávia, Eslováquia, Romênia e até a Rússia.  

Além da Acnur, outras agências humanitárias da ONU estão ampliando a resposta a esta crise, que poderá vir a ser o maior fluxo de refugiados do século na Europa, segundo o chefe do Acnur, Filippo Grandi.  

Família ucraniana com 11 crianças busca refúgio na Romênia (Foto: Ioana Moldovan/Unicef)

A OIM (Organização Internacional para Migrações) calcula que mais de 470 mil pessoas de outras nacionalidades estão na Ucrânia, tentando sair do país, incluindo estudantes e trabalhadores migrantes. 

Na terça-feira, no lançamento do apelo financeiro de US$ 1,7 bilhão para a Ucrânia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou ser importante que a solidariedade ao povo que está deixando a Ucrânia seja estendida “sem discriminação por raça, religião ou etnia”.  

A OIM revela que pelo menos 6 mil migrantes já chegaram a Moldávia e Eslováquia, sendo que vários países já pediram a assistência da organização para retornar seus cidadãos para África, Oriente Médio e Ásia. 

Mais de 50 pessoas da Tunísia que estavam na Ucrânia, por exemplo, conseguiram chegar à Moldávia e estão recebendo o apoio da OIM para que possam alcançar a Romênia antes de pegarem um voo fretado até seu país de origem.  

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Tags: