Apostas esportivas ilegais movimentam US$ 1,7 trilhão por ano, aponta relatório

Documento publicado pela ONU analisa a manipulação de resultado em competições esportivas e o envolvimento do crime organizado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Relatório divulgado nesta quarta-feira (8) pelo Unodc (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime) afirma que cerca de US$ 1,7 trilhão circulam no mercado de apostas ilegais no esporte anualmente. O documento também analisa a manipulação de resultado em competições esportivas e o envolvimento do crime organizado nessas delitos.

De acordo com o relatório, a definição de apostas ilegais e seus limites jurídicos impõe contradições. Por isso, o Unodc destaca especialmente casos em que os operadores registrados fazem transações com países em que a prática não é permitida e, no caso mais grave, em que todo o processo não respeita normas legais.

O Unodc avalia que a globalização, o grande fluxo de dinheiro, o crescimento das apostas esportivas legais e avanços tecnológicos estão fazendo com que o mercado seja mais atraente para redes criminosas.

Copa do Mundo de futebol de 2014, no Brasil (Foto: Pixabay)

O relatório destaca iniciativas implementadas para conter o problema e inclui um manual com considerações de políticas concretas, tanto para governos como para organizações esportivas. 

Diversos países de língua portuguesa foram citados pela implementação de códigos de conduta e ética no setor. O Brasil, que recebeu dois eventos esportivos internacionais na última década, a Copa do Mundo de Futebol, em 2014, e os Jogos Olímpicos, em 2016, também é mencionado. Segundo o relatório, o país adotou legislações para lidar com risco de corrupção em aquisições e governança corporativa. 

Também foram realizadas ações para fortalecer o acesso público a informação e para conter o crime organizado, aumentando as penalidades para obstrução da justiça e outras sanções criminais contra indivíduos que lideram ou financiar organizações criminosas.

De acordo com a agência da ONU, o estudo revela uma “escala, manifestação e complexidade assombrosas da corrupção e do crime organizado no esporte em níveis global, regional e nacional”.

O texto observa que a corrupção no esporte não é um fenômeno novo, existindo desde os antigos Jogos Olímpicos. No entanto, os resultados apontam para um “aumento substancial” nas últimas duas décadas.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Tags: