ARTIGO: Notas sobre “2001: Uma Odisseia no Espaço”

Pesquisadores relacionam filme "2001: Uma Odisseia no Espaço" e as relações beligerantes da Guerra Fria
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Artigo publicado originalmente no Jornal da USP (Universidade de São Paulo)

*por Cleber Vinicius do Amaral Felipe e Jean Pierre Chauvin, professores do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia e da ECA/USP, respectivamente

Poucos eventos, na história recente do cinema, são equiparáveis a 2001: Uma Odisseia no Espaço. Hoje, sabemos que o roteiro levado às telas foi escrito por Stanley Kubrick e Arthur C. Clarke, em diálogo com dois contos do escritor inglês publicados na década de 1940 (“A sentinela” e “Encontro no alvorecer”).

Quem assistiu ao filme deve se recordar da trilha sonora que o embala, especialmente a majestosa “Introdução” a Also sprach Zarathustra, composta por Richard Strauss, que escutamos uma vez antes de o filme começar; outra, ao final da primeira parte (“The dawn of man”); a terceira, nos segundos finais da película, quando aparece a imagem do embrião em simetria com a do planeta Terra.

Dentre os numerosos aspectos relacionados a essa impressionante jornada do homem, o filme privilegia a ideia de que a nossa evolução foi pautada pela violência. A utilização dos ossos de animais (mortos) como armas incrementará as disputas territoriais, defenderá os gorilas dos leopardos e permitirá a eles se alimentar de outras espécies.

Três milhões de anos antes de nossa era (no filme, eram quatro milhões), eis que um objeto aparece, da noite para o dia, no deserto africano. O narrador, criado por Clarke, tenta adivinhar o pensamento rudimentar do gorila, numa passagem tanto lírica quanto ingênua, que revela o esforço do animal para estabelecer analogias: “Depois de pensar por vários minutos, chegou a uma explicação brilhante. Era uma rocha, é claro, e ela devia ter crescido durante a noite. Havia muitas plantas que faziam isso [….]” (p. 38).

No filme e no romance, sugere-se que o contato com o monolito transformara os animais, tornando-os mais inteligentes; porém, mais agressivos. Eis que, nos primórdios da aventura humana, “Eles tinham aprendido a falar, e assim obtiveram sua primeira grande vitória contra o Tempo. Agora, o conhecimento de uma geração podia ser transmitido para a seguinte” (p. 60).

A disputa constituiu um traço evidente na “evolução” dos gorilas e, consequentemente, dos homens. No ano de 2001, as muitas camadas de tecnologia superavançada não impedem que a animosidade persista: “Em um milhão de anos, a raça humana perdera pouco de seus instintos agressivos; ao longo de linhas simbólicas visíveis apenas para políticos, as trinta e oito potências nucleares observavam umas às outras com ansiedade beligerante” (p. 68).

ARTIGO: Notas sobre “2001: Uma Odisseia no Espaço”
Cena do longa ” 2001: Uma odisseia no espaço”, escrito por Stanley Kubrick e Arthur C. Clarke, de 1968 (Foto: Reprodução)

O narrador soa irônico em diversos trechos, a sugerir que tecnologia e civilização não rumavam na mesma direção: “Outro pensamento lhe ocorria sempre que varria com os olhos aquelas minúsculas manchetes eletrônicas. Quanto mais maravilhoso o meio de comunicação, mais trivial, medíocre ou deprimente seu conteúdo parecia ser” (p. 87). Especialmente no filme, a Guerra Fria constitui o segundo plano da narrativa.

Na segunda parte de 2001, assistimos ao representante e membro do seletíssimo Conselho Espacial, o dr. Heywood Floyd, em uma nave proveniente da Terra com destino à estação espacial e, de lá, seguir para uma missão em Clavius (uma base norte-americana fincada na Lua, um ano antes da expedição fora da telas…), onde um monolito fora encontrado 15 metros abaixo da superfície.

Antes da reunião com seus anfitriões, o dr. Floyd reencontra um grupo de astronautas russos que falam perfeitamente o inglês (clichê recorrente em filmes que sugerem a superioridade de uns sobre outros). Embora o diálogo seja amistoso, Floyd se recusa a dar maiores explicações sobre o motivo para sua ida à base de Clavius. Ele se despede abruptamente das(os) quatro colegas.

Eis uma diferença interessante entre o roteiro do filme e o enredo do romance. Na tela, a disputa entre a União Soviética e os Estados Unidos é colocada em maior evidência, enquanto no livro há constantes alusões ao Império Chinês como poderosa força mundial.

Essa redução do mundo a duas potências talvez pareça simplista, mas pode ter havido suficiente razão para isso. Se estendermos um arco entre os duelos de gorilas e o desconfortável diálogo entre russos e norte-americanos na estação espacial, perceberemos que o binarismo pode constituir uma produtiva chave interpretativa do filme.

A dualidade não se restringe a esses episódios. Os astronautas responsáveis pela nave, em missão rumo a Júpiter 18 meses após a investigação liderada por Floyd, convivem com colegas de outros países (três pesquisadores mantidos em hibernação).

No livro, evidencia-se a consciência que eles têm sobre o supercomputador Hal 9000 e a respeito de si mesmos: “Poole e Bowman haviam muitas vezes se referido jocosamente a si mesmos como cuidadores ou zeladores a bordo de uma nave que, na verdade, poderia funcionar sozinha” (p. 134).

Meses depois, começam os conflitos entre o supercérebro e os homens. A certa altura, a unidade supostamente infalível afirma detectar duplo erro no sistema, o que provoca a desconfiança dos tripulantes:

“– Não estou entendendo, Hal. Duas unidades não podem estourar em dois dias.
– De fato, parece estranho, Dave. Mas eu lhe asseguro de que há uma pane iminente” (p. 182).

A calculada polidez de Hal é proporcional à ironia com que despeja observações supondo a inferioridade humana:

“– É uma pena o que houve com Frank, não é?
– Sim – Bowman respondeu, depois de uma longa pausa. – É.
– Suponho que você esteja bastante arrasado com isso, não?
– O que você esperava?”

Os diálogos entre o onisciente Hal e os astronautas evocam a rivalidade entre os seres, instaurada desde as primeiras cenas do filme (e as páginas iniciais do romance). As disputas territoriais entre gorilas, no deserto; a guerra fria evocada na estação espacial; os duelos emocionais/mentais entre o homem e a máquina obedecem à premissa de que o aniquilamento seria o efeito colateral da “evolução” de nossa espécie.

No filme, esse dualismo é reforçado por músicas ora épicas, ora líricas. As cenas estão dispostas de maneira que a introdução a Also sprach Zarathustra, de Richard Strauss, ou a Valsa do Danúbio Azul, de Johann Strauss, reforçam o impacto dos episódios a que concedem som e matéria.

Odisseia

Lançado cerca de uma década após o início do projeto soviético Sputnik, o filme dirigido por Kubrick encena o contato do homem com um artefato prometeico que confere, a uma forma bastante primitiva da humanidade, a habilidade de recorrer à técnica e, por extensão, à guerra. Seria oportuno comentar o título e um episódio em particular, com o intuito de esclarecer aspectos nucleares da película.

O termo “odisseia” remete ao poema homérico homônimo, voltado para o regresso de Odisseu após o término da Guerra de Troia. Seu itinerário permite apreender um mundo desconhecido, habitado por ciclopes, sereias, feiticeiras. O filme, por sua vez, retrata não somente viagens galácticas, mas também as errâncias da humanidade, que passa por uma mudança substancial quando se depara com o elemento extraterrestre que infunde novo modelo de comportamento.

No caso, os seres humanos recorreram à técnica não mais para sulcar mares e peregrinar em terras longínquas, mas para sobrevoar lugares não submetidos às nossas leis gravitacionais.

Em meio a essa odisseia espacial, Hal 9000, que realiza a vontade dos astronautas e faz diagnósticos precisos sobre a integridade da Discovery, supostamente comete um equívoco, ato inaugural quando se considera o histórico impecável daquele sistema de I.A.

Às escondidas, David e Frank concebem o plano de desativar Hal, mas o robô consegue descobrir a trama. Para impedi-los, ele abandona Frank no espaço e busca eliminar David. Porém, ele consegue voltar à nave ao destrancar, manualmente, a câmara de compressão. Em seguida, ele invade o computador, a despeito do receio e das súplicas de Hal, e apaga os dados ali reunidos. Depois disso, a máquina perde o controle da situação.

Ao que parece, além de uma odisseia no espaço, o protagonista também experiencia uma catábase. Trata-se de um ritual antigo por meio do qual heróis ou indivíduos notáveis buscavam visitar o mundo dos mortos para obter respostas.

ARTIGO: Notas sobre “2001: Uma Odisseia no Espaço”
O diretor de cinema Stanley Kubrick, em registro sem data específica (Foto: CreativeCommons)

Na Odisseia de Homero, por exemplo, para consultar o adivinho Tirésias, Odisseu realizou um conjunto de rituais para dialogar com os mortos. Devido à insubordinação de Hal (a pronúncia do nome soa como hell) e sem efetuar a “catábase” por meio da qual conseguiu reiniciá-lo, David seria condenado a vagar, a errar pelos descaminhos do espaço sideral.

A viagem espacial só foi possível devido ao poder do monolito, mas também foi graças a ele que Hal 9000 foi construído. Não fosse o artefato milenar (que funciona bem como metáfora da razão, da evolução, do ímpeto de Prometeu, da geometria, da ordem, do artifício), não haveria sequer a ideia de catábase, pois a morte não seria intuída sem contar com a razão. O monolito tanto estaria relacionado à “evolução” dos primatas, quanto ao avanço da ciência e da tecnologia, sintetizadas em Hal.

Vasto e de contornos imprecisos, o espaço pode substituir os mares nunca dantes navegados de Camões ao se converter no reduto das fantasias, do desconhecido. Arremessado para o não lugar galáctico, despejado da ordem instituída pelo homem, para flutuar rumo à morte no Cosmos, Frank não pôde efetuar seu retorno, a despeito dos esforços de David para trazê-lo de volta. David, por outro lado, regressa e, além disso, desabilita seu algoz.

Diferentemente dos ínferos greco-romanos e cristão, criados e/ou administrados por entidades imortais, o inferno espacial só foi viabilizado graças ao emprego da suprema técnica. Uma máquina com sentimentos é apavorante, pois estamos acostumados a ser os únicos a comportar autonomia e afetos.

Depois (e antes) de 2001, vários filmes exploraram os usos e os perigos da tecnologia; mas essa produção, em particular, apresenta muitas questões que permanecem atuais, capazes de enredar guerras frias ou quentes, internas ou externas, conscientes ou inconscientes.

O embrião, encerrado em sua cápsula uterina, demarca o início, mas também o fim; remete à unidade entre a mãe e sua prole, atadas pelo cordão umbilical, e ao super-homem autossuficiente de Nietzsche.

Já o monolito proporciona a criação e o aprimoramento da técnica: no limite, a sofisticação/insurreição de Hal; mas também a apoteose/transcendência de David, que (supõe-se) contempla/compreende a máquina do mundo. O ímpeto centrífugo do homem, seu desejo pelo saber, fez com que ultrapassasse as colunas de Hércules, o Cabo das Tormentas, e mesmo Gaia – a mãe-terra que sempre o acolheu.

Saiba mais

2001: A Space Odyssey, direção de Stanley Kubrick, EUA/Reino Unido, 1968.

Arthur C. Clarke, 2001: Uma Odisseia no Espaço, 3ª reimp., trad. Fábio Fernandes, São Paulo, Aleph, 2015.

Tags: