Mundo

Impacto do Covid-19 no uso de drogas pode ser semelhante ao da crise de 2008

Usuários têm procurado substâncias sintéticas mais baratas e recorrido à injeção intravenosa com maior frequência

Os impactos da pandemia do novo coronavírus podem ser parecidos com os da crise econômica de 2008, ao menos em relação ao uso de drogas, concluiu o Relatório Mundial sobre Drogas de 2020. O material foi publicado nesta quinta (25) pela UNOCD (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime).

Como há 12 anos, os usuários passaram a procurar substâncias sintéticas mais baratas e injeções intravenosas. Já os governos reduziram o orçamento para o combate às drogas.

Segundo o relatório, o maior impacto imediato deve ser sentido pelos países onde a maior parte das substâncias chega por meio de voos comerciais.

O aumento do desemprego e a falta de oportunidades fazem com que a população mais pobre se envolva com drogas e atividades ilícitas correlacionadas.

Impacto do Covid-19 no uso de drogas pode ser semelhante à crise econômica de 2008
Plantação de papoula no Afeganistão (Foto: UN Photos)

Em crescimento

Mais de 35 milhões de pessoas em todo o mundo são dependentes de drogas, de acordo com o relatório. Cerca de 269 milhões de pessoas abusaram de substâncias em 2018. Isso representa um aumento de 30% em relação a 2009.

A urbanização seria um impulsionador para o mercado de drogas, já que o consumo é maior nessas áreas do que em zonas rurais. A tendência se repete em países desenvolvidos e em desenvolvimento.

De acordo com o relatório, o opióide mais usado no Brasil é a heroína. Já a droga estimulante mais comum no país é a cocaína. É o maior mercado para a droga na América do Sul, com cerca de 1,5 milhão de usuários.

Mudanças no mercado

Drogas sintéticas estão substituindo o uso de opiáceos na Ásia Central e na Rússia, enquanto o uso de metanfetamina cresce no Afeganistão e no Iraque. Nesta região estão os maiores produtores de papoula do mundo.

Já o uso de cannabis tem crescido na maioria das regiões onde o uso recreativo já é legalizado.

Em 2018, a cannabis foi a droga mais popular, sendo utilizada por 192 milhões de pessoas em todo o mundo. Por outro lado, os opióides foram responsáveis por 66% das 167 mil mortes ligadas ao uso de drogas em 2017.