Oriente Médio

Taleban mantém laços com a Al-Qaeda, alerta coordenador da ONU

Grupos terroristas mantiveram as relações mesmo após acordo assinado para assegurar cessar-fogo em 2020

O coordenador do monitoramento de terrorismo da ONU (Organização das Nações Unidas), Edmund Fitton-Brown, alertou que o Taleban ainda mantém laços estreitos com a Al-Qaeda. A afirmação foi feita em entrevista à emissora japonesa NHK.

A relação continua mesmo um ano após o acordo de paz mediado pelos EUA, assinado em 29 de fevereiro de 2020. No tratado, as partes concordaram em retirar as forças do Afeganistão caso o Taleban cortasse relações com grupos terroristas internacionais – inclusive a Al-Qaeda.

“O Taleban continua recebendo apoio da Al-Qaeda para campanhas militares”, relatou Fitton-Brown. “Esse apoio inclui ainda o fornecimento de abrigo e proteção”.

Taleban mantém laços com a Al-Qaeda, alerta oficial da ONU
Cerimônia funeral de soldados dos EUA mortos em combate com forças do Taleban no Afeganistão, em agosto de 2012 (Foto: Divulgação/NZ Defence Force)

O oficial confirmou as afirmações, lançadas pelo Pentágono, ainda em julho passado. Segundo Fitton-Brown, há entre 400 e 600 combatentes da Al-Qaeda no Afeganistão. As tropas recebem armas e realizam treinamento militar conjunto.

Em relatório anterior, a Defesa dos EUA afirma que o território do Afeganistão e seu vizinho Paquistão continuam sendo “santuário” para o grupo e diversos outras facções extremistas islâmicas.

Esses integrantes seriam sobretudo da Arábia Saudita, Egito e outros países do Oriente Médio, disse Fitton-Brown. Os grupos partilham do mesmo objetivo de “retirar os EUA e as forças estrangeiras do Afeganistão” e são coordenados por “altos funcionários”.

“A continuidade das relações entre o Taleban e a Al-Qaeda pode afetar o processo de paz e causar, inclusive, um atraso na retirada das forças americanas”, alertou o oficial da ONU.

A tentativa de um acordo de paz, iniciada em setembro passado, se dá em meio ao aumento de ataques terroristas e suspensões das negociações entre o Taleban e o governo intra-afegão.

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino. Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos. Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.