Vídeo mostra oficial do exército afegão sendo torturado por militante do Taleban

Imagens evidenciam descomprometimento da organização islâmica com a promessa de anistia geral após a tomada de poder no Afeganistão
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Um vídeo que viralizou na internet nesta quarta-feira (29) mostra um ex-comandante militar do governo do Afeganistão sendo torturado por dois insurgentes do Taleban. As imagens, compartilhadas pela emissora afegã TOLO News, evidenciam o descumprimento da promessa de anistia feita pela organização islâmica em agosto, quando tomou o poder central no país. As informações são do canal indiano The World is One News (WION).

O registro revela agressões feitas a Rahmatullah Qadiri, que aparece sendo insultado e maltratado por militantes talibãs. O vídeo gerou protestos de cidadãos afegãos nas redes sociais, com muitos deles reivindicando aos jihadistas que se comprometam com a remissão geral anunciada pelo líder supremo do Taleban, Mawllawi Hibatullah Akhundzada.

“Eles anunciaram uma anistia geral e espera-se que a defendam, porque cumprir as promessas fortalecerá a confiança entre o governo e o povo”, disse Hekmatullah Mirzada, um professor universitário ouvido pela reportagem.

Ex-soldado afegão é torturado por talibãs (Foto: reprodução de vídeo)

Rahmatullah Andar, um ex-oficial militar, observa que o Emirado Islâmico “deve impor a anistia geral entre seus escalões inferiores e nas províncias por meio de governadores provinciais e chefes de departamentos de segurança”.

Para Anas Haqqani, uma das principais lideranças talibãs, a vingança pessoal é algo a ser rechaçado entre os militantes e o indulto deve ser respeitado. “Agora que foi declarada uma ampla anistia, é preferível que todas as pessoas sejam tratadas com justiça”, disse.

A ONG de direitos humanos Human Rights Watch já havia feito denúncias sobre assassinatos e prisões de ex-funcionários de segurança do governo feitas pelos extremistas, acusações negadas pelo Taleban.

“Prender e interrogar pessoas devido às relações com o governo anterior aumentará a inferioridade social e os problemas que podem se transformar em uma ameaça à segurança e à estabilidade no futuro”, ponderou oanalista político Sayed Baqir Mohsini, ouvido pela reportagem.

Tags: