África

Confronto pelo desarmamento deixa 70 mortos no Sudão do Sul

Civis armados recusaram-se a entregar o arsenal; acordo de paz do Sudão do Sul determina desarmamento da população

Um confronto durante “exercício de desarmamento” resultou em 70 mortes e dezenas de feridos no distrito de Tonj, do estado de Warrap, no norte do Sudão do Sul, no último domingo (9).

De acordo com o porta-voz da ONU (Organização das Nações Unidas), Stephane Dujarric, o conflito ocorreu entre Exército e civis armados. Os homens recusavam-se a entregar o seu arsenal às Forças Armadas.

Mesmo em disputa pelo poder, um acordo de paz foi assinado em 2018. O entendimento pacificou a disputa entre o presidente do país, Salva Kiir, e seu rival, Riek Machar, nomeado vice-presidente em fevereiro.

Uma das medidas mais polêmicas do entendimento é o total desarmamento da população sul-sudanesa.

Confronto em "exercício de desarmamento" deixa 70 mortos no Sudão do Sul
O presidente Salva Kiir cumprimenta seu rival e agora vice, Riek Machar, no palácio presidencial em Juba, em 2019, após acordo de paz (Foto: UN Photo/Isaac Billy)

O vereador de Tonj James Mabior Makuei falou à Al-Jazeera que a violência começou quando civis se recusaram a entregar suas armas aos solados no mercado do distrito.

O confronto se espalhou pela região. Conforme o porta-voz do exército Lul Ruai Koang civis armados atacaram uma base oficial na vila de Romich na segunda-feira (10).

Em seu relatório, Dujarric confirma que o mercado local de Romich, perto de Tonj, foi saqueado e lojas foram queimadas.

Na segunda à noite, uma equipe de apoio da ONU chegou à região para conciliação e redução de danos, confirmou o enviado.

Confronto pelo desarmamento deixa 70 mortos no Sudão do Sul
Onde fica o Sudão do Sul (Foto: Reprodução/Google Maps)