Milícia é suspeita de decapitar 13 pessoas no leste da RD do Congo

Exército pede que população não atenda a qualquer chamado e observe as fardas de militares que os abordarem
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Treze pessoas foram encontradas decapitadas ao leste da República Democrática do Congo. O massacre ocorreu na noite de terça-feira (25), e a milícia ADF (Forças Democráticas Aliadas) é suspeita de realizar o ataque, reportou o “The Defense Post”. 

A chacina ocorreu na aldeia de Kisima-Vutotolia, a 30km de Beni, próximo a Uganda. “A situação em Kisima é trágica. Houve uma invasão da ADF por volta das 19h e 13 pessoas perderam a vida. Vários habitantes [da vila] também estão desaparecidos”, disse o prefeito Donat Kibuana à AFP. 

O chefe da aldeia e sua esposa estão entre os mortos, segundo o representante da sociedade civil Roger Masimango. O homem ainda afirmou que “dois bebês, de quatro e dois meses, respectivamente, foram encontrados vivos ao lado dos corpos dos pais assassinados”.

De acordo com o tenente Antony Mwalushayi, porta-voz das operações do exército na região, a população deve ficar em alerta, pois o grupo muda constantemente o modus operandi.

“Pedimos aos cidadãos que tenham muito cuidado durante a noite e não aceitem qualquer chamado. Mudamos o nosso fardamento, portanto, se alguém vir um soldado com uniforme de comando diferente, questione”, afirmou ao portal “Rádio Okapi”.

Desde novembro de 2019, a ADF já assassinou mais de mil civis em torno de Beni.

Só neste ano, cerca de 500 pessoas foram mortas nas províncias de Kivu do Norte e do Sul, próximos a Beni. 

Carro da ONU queimado em ataque das Forças Democráticas Aliadas em 2014, na República Democrática do Congo (Foto: Sylvain Liechti/UN Photo)

Milícia ligada ao EI

A ADF é um grupo islâmico ugandês que está escondido no leste da RD Congo desde 1995. A milícia é a mais mortal entre as dezenas de grupos armados que vagam pelo leste rico em minerais do país. A ADF também esteve presente nas duas guerras regionais entre 1996 e 2003.

Em 11 de março, os Estados Unidos declararam a milícia um braço do EI (Estado Islâmico).

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino. Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos. Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.

Tags: