No Mali, junta militar não nomeia presidente mesmo com prazo e sanções

Comunidade de Estados africanos pressiona para que novo presidente do Mali após golpe de agosto seja um civil
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Nem as sanções econômicas e nem a última rodada de negociações mediada pela Ecowas (Comunidade Econômica de Países da África Ocidental), nesta terça (15), foram suficientes para impor que a junta militar que tomou o poder no Mali em agosto nomeasse um presidente de transição.

Na negociação, os líderes rebeldes negaram qualquer tratativa para indicar um novo presidente. A Ecowas pressiona para que o novo chefe de Estado seja um civil e que novas eleições aconteçam dentro de um ano.

“Precisamos de uma liderança civil para a transição”, disse o presidente de Gana e cabeça do grupo, Nan Akufo-Addo, à Al-Jazeera.

Ecowas pressiona para que novo presidente do Mali seja um civil; líderes que lideram país desde agosto discordam
Registro da cúpula do Ecowas na reunião do dia 15 de setembro de 2020, em Aburi, Gana (Foto: Ecowas)

A imposição, no entanto, vai na contramão do que espera a junta militar malinesa. No sábado (12), os governadores do país aprovaram um regulamento que define o presidente interino como “soldado ou civil”. Não há qualquer indicação de quando o novo governo será nomeado.

A crise do país se intensificou no dia 18 de agosto, quando militares rebeldes prenderam e forçaram o então presidente Ibrahim Boubakar Keita a renunciar ao cargo.

 Cabo de força

Os líderes da Ecowas temem que o golpe do Mali respingue nos países vizinhos da região do Sahel, já fragilizados pelos combates armados contra os grupos Al Qaeda e Estado Islâmico que dominam parte do território.

“No minuto em que a liderança entrar em vigor, as sanções serão suspensas”, completou. Uma comitiva de mediação deve retornar ao Mali na próxima semana para uma nova rodada de conversas, informou Akufo-Addo.

As sanções ao Mali incluem o fechamento de fronteiras e suspensão de fluxos financeiros ao país. A Ecowas, no entanto, não especificou se as sanções se aprofundarão caso os prazos não sejam cumpridos.

Na avaliação da Ecowas, o governo de transição poderá permanecer por até 18 meses – seis meses a mais que o prazo estabelecido no início da crise.

Tags: