UE suspende treinamento militar no Mali e nega participação em golpe

União Europeia afirmou que não tem relação com o golpe; 90% do Exército malinês foi treinado pela organização
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A UE (União Europeia) suspendeu o treinamento militar no Mali após o golpe militar que derrubou o presidente Ibrahim Boubacar Keita. “Não treinamos exércitos para serem golpistas”, disse Josep Borrell, que chefia a política externa da UE à Reuters, na quarta (26).

Borrell frisou que Bruxelas não tem responsabilidade ou relação com o motim que derrubou o governo. Cerca de 90% do Exército malinês foi treinado pelas forças da organização.

Militares amotinados na capital, Bamako, prenderam Keita e forçaram-no a renunciar ao mandato no último dia 18. Ele foi solto nessa quinta (27) e já está em sua residência.

UE suspende treinamento militar no Mali e nega relação com golpe
Ajuda humanitária da União Europeia disponibilizou profissionais e meios de transporte para programas de saúde no norte do Mali, em novembro de 2015 (Foto: European Union/ECHO/Isabel Coello)

As missões da UE no Mali começaram em 2012, após o último golpe militar. O objetivo era estabilizar o país e aumentar a presença do Estado após a expulsão de militantes extremistas no norte. De acordo com a organização, a retirada de tropas é temporária.

“Sabemos que algumas das principais figuras do golpe também receberam treinamento na Alemanha e na França“, disse a ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer. Os quatro líderes golpistas à frente do motim, porém, não foram treinados pela missão, apontou Kramp-Karrenbauer.

O treinamento da UE continuará nos vizinhos Níger e Burkina Faso, disseram autoridades.

Agora os líderes golpistas do Mali discutem um governo de transição. O objetivo é permitir que a UE retome o treinamento no país em parceria com a ONU (Organização das Nações Unidas).

Depois do golpe, a violência tem sido intensa no Mali. O país, assim como outras nações da África Ocidental, enfrenta ameaças crescentes de militantes islâmicos extremistas.

Tags: