Uganda perde US$ 1,6 bilhão no turismo por causa da pandemia

Setor é um dos principais da economia; FMI prevê queda de 54% nos ganhos com visitantes nos próximos 12 meses
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Uganda deve perder US$ 1,6 bilhão no setor do turismo, após restrições de mobilidade causadas pela pandemia do novo coronavírus. As informações são da agência de notícias Reuters.

A cifra foi apresentada pelo presidente Yoweri Museveni, durante um pronunciamento nesta segunda (1º). O mandatário não deu informações sobre qual o período compreendido pela estimativa.

Boa parte da receita de Uganda vem do turismo. A floresta no sudeste do país, na fronteira com Ruanda e a República Democrática do Congo, é atração que inclui leões, girafas e búfalos.

Mas o setor já vinha sofrendo antes da pandemia. O FMI (Fundo Monetário Internacional) estima que os ganhos com turismo em Uganda cairiam 54% entre julho do ano passado e junho deste ano.

No próximo ano fiscal, que compreende de junho de 2020 a junho de 2021, a queda chegaria a 52%.

Uganda perde US$ 1,6 bilhão no turismo por causa da pandemia
O Parque Nacional Queen Elizabeth é um dos atrativos turísticos de Uganda (Foto: Wikimedia Commons)

Outras perdas

O presidente de Uganda disse ainda que a economia perderia cerca de US$ 1,3 bilhão de remessas enviadas por emigrantes. A queda é esperada já que muitos migrantes correm o risco de perder os empregos por conta da pandemia.

O FMI também cortou pela metade a previsão de crescimento para Uganda, para 3,3%, no ano fiscal que se encerra em junho deste ano.

Para o próximo ano, a projeção de crescimento é de 3,7%. No mesmo período de 2019, a economia cresceu 6,5%.

Covid-19

De acordo com dados divulgados pela OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta terça (2), Uganda tem 458 confirmados da doença e nenhuma morte.

O governo implementou medidas rigorosas para conter a disseminação do Covid-19 em seu território. Houve proibição de transportes público e privado, fechamento temporário de quase todas as empresas e das fronteiras.

Tags: