Américas

Tesouro dos EUA impõe sanções a cinco membros da Al-Qaeda na Turquia

Apoiadores da organização extremista que operam na Turquia forneceram uma variedade de serviços financeiros e de facilitação de viagens ao grupo

Os Estados Unidos, por meio de um comunicado do Departamento do Tesouro, anunciaram nesta quinta-feira (16) sanções a cinco apoiadores da Al Qaeda na Turquia. De acordo com a agência Reuters, eles teriam fornecido serviços financeiros e apoio logístico em viagens à organização extremista.

O nome de destaque na lista é o de Majdi Salim, um advogado egípcio radicado na Turquia, identificado pelo Tesouro dos EUA como o principal facilitador de uma série de atividades do grupo no país.

“Essas sanções direcionadas destacam o compromisso inabalável dos Estados Unidos de cortar o apoio financeiro à Al-Qaeda”, disse Andrea Gacki, diretora do Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros.

Andrea Gacki: imposição visa a interromper redes de apoio financeiro à organização extremista (Foto: Office of Foreign Assets Control/Divulgação)

Os outros são Muhammad Nasr al-Din al-Ghazlani, um mensageiro financeiro egípcio que usou transferências de dinheiro para apoiar o grupo jihadista, e os cidadãos turcos Nurettin Muslihan, Cebrail Guzel e Soner Gurleyen.

“Continuaremos trabalhando com nossos parceiros estrangeiros, incluindo a Turquia, para expor e interromper as redes de apoio financeiro da Al-Qaeda”, acrescentou Gacki.

O próprio relatório detalha as implicações de ser incluído na lista de restrições. “Todos os bens e interesses na propriedade dos indivíduos e entidades acima mencionados, e quaisquer entidades que sejam propriedade, direta ou indiretamente, 50% ou mais, deles, individualmente, ou com outras pessoas bloqueadas, que estão nos Estados Unidos ou no controle de uma pessoa dos EUA, deve ser bloqueado e relatado ao OFAC (Departamento de Controle de Ativos Estrangeiros, da sigla em inglês)”.

No Brasil

Casos mostram que o país é um “porto seguro” para extremistas. Em dezembro de 2013, um levantamento do site The Brazil Business indicava a presença de ao menos sete organizações terroristas no Brasil: Al Qaeda, Jihad Media Battalion, Hezbollah, Hamas, Jihad Islâmica, Al-Gama’a Al-Islamiyya e Grupo Combatente Islâmico Marroquino.

Em 2001, uma investigação da revista VEJA mostrou que 20 membros terroristas de Al-Qaeda, Hamas e Hezbollah viviam no país, disseminando propaganda terrorista, coletando dinheiro, recrutando novos membros e planejando atos violentos.

Em 2016, duas semanas antes do início dos Jogos Olímpicos no Rio, a PF prendeu um grupo jihadista islâmico que planejava atentados semelhantes aos dos Jogos de Munique em 1972. Dez suspeitos de serem aliados ao Estado Islâmico foram presos e dois fugiram. Saiba mais.