Artigos

Florestas de Mianmar sob pressão de extração ilegal de madeira e contrabando

Artigo relata madeireiras e gangues de criminosos estão destruindo florestas no Leste Asiático em um ritmo sem precedentes

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site Radio Free Asia

Por Dan Southerland

Mianmar está conquistando as manchetes mundiais pela luta de seus cidadãos contra um regime militar que derrubou a Liga Nacional para a Democracia de Aung San Suu Kyi, eleita presidente em 1º de fevereiro.

Porém, há um problema menos conhecido sobre o país de 54 milhões de habitantes: a exploração madeireira ilegal que está em curso destruindo as florestas de Mianmar, que junto com Indonésia, Malásia, Vietnã, Camboja e Tailândia são focos de desmatamento no sudeste da Ásia.

A revista National Geographic relata que metade da teca selvagem restante do mundo, uma das madeiras de lei mais valiosas, cresce em Mianmar.

O colega da National Geographic Paul Salopek testemunhou o transporte de teca em barcaças cheias de toras enormes e descreveu a cena como “uma floresta em movimento”. Ele classifica a teca como “madeira serrada facilmente”. É rica em óleos resistentes ao clima e a pragas e é altamente classificada para uso em móveis de jardim e bancadas.

O alto teor de sílica da teca cria uma superfície lisa que, quando polida, também funciona bem na construção de iates.

Madeira cortada para exportação na região de Sagaing, em Mianmar, janeiro de 2016 (Foto: Wikimedia Commons)

“O desmatamento das florestas no sudeste da Ásia está se acelerando, levando a aumentos sem precedentes nas emissões de carbono”, diz um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Leeds publicado em julho.

“As descobertas mostram que as florestas estão sendo derrubadas em altitudes cada vez maiores e em encostas mais íngremes para abrir caminho para a intensificação da agricultura”, afirma o texto.

Gangues de criminosos

Enquanto isso, a Agência de Investigação Ambiental (EIA, na sigla em inglês), sediada em Londres, relata que, com algumas das taxas de desmatamento mais altas do mundo, o Leste Asiático pode até 2030 perder cerca de 70 milhões de hectares de floresta natural, o equivalente a 25% do total global projetado.

As florestas oferecem muitos benefícios: absorvem gases tóxicos, ajudam a prevenir a erosão do solo e fornecem o abrigo muito necessário para animais e pássaros.

Em anos anteriores, algumas árvores foram removidas simplesmente para fornecer mais espaço para a expansão agrícola. Mas, em Mianmar de hoje, a obtenção de lucro chamou a atenção de madeireiros ilegais.

As gangues de criminosos têm um longo histórico de envolvimento na extração ilegal de madeira em Mianmar e em outros lugares do Leste Asiático. Nos últimos anos, elas se tornaram mais bem organizadas e altamente eficientes na colheita e exportação de madeira ilegal.

Como o EIA descreve, essas gangues “agora têm a capacidade de se mover para uma área de floresta e extrair rapidamente todas as madeiras disponíveis”.

As madeireiras, bem como as gangues, formam fortes vínculos com o governo local e oficiais militares e acredita-se que não tenham escrúpulos em pagar subornos a eles.

Em Mianmar, você pode encontrar guardas florestais dedicados, mas seu número era limitado pelo menos até recentemente.

Barco transporta toras de madeira em Mianmar, fevereiro de 2013 (Foto: Wikimedia Commons)

Parque nacional ameaçado

Em 2014, o governo de Mianmar finalmente tomou medidas enérgicas. De acordo com Paul Salopek, o governo proibiu as exportações de teca silvestre. A polícia prendeu 153 madeireiros ilegais, em sua maioria chineses, que foram condenados a 20 anos de prisão.

Desde então, Mianmar afrouxou a proibição para permitir a venda de madeira armazenada ou árvores de plantação.

Salopek conversou com uma ambientalista chamada Aung, que trabalha na região de Mawlaik, no noroeste de Mianmar.

Aung disse que os patrões encarregados do corte de árvores de teca pagam a seus trabalhadores metade de seus salários em dinheiro e o restante em drogas. Dessa forma, disse ele, os trabalhadores tornam-se viciados nas drogas e dependentes dos patrões.

A mão de obra agrícola paga cerca de US$ 3 a US$ 5 por dia em Mianmar, enquanto o corte de árvores de teca custa no mínimo US$ 6.

Um grupo chamado Global Conservation (GC) relatou que em 2018 o maior parque nacional de Mianmar, lar de elefantes e outras espécies selvagens, tinha apenas 12 guardas florestais patrulhando-o.

Proteger mais de 150 mil hectares de selva profunda e floresta tropical com apenas 12 guardas florestais, segundo o GC, foi “desafiador”.

O Parque Nacional Aleungdun Kathapa perdeu 80% de suas florestas intactas para a extração ilegal de madeira, mas ter um penhasco de 2 mil pés em torno de 60% do parque o ajudou a sobreviver a décadas de extração pesada.

De acordo com o Banco Mundial, tempestades, inundações e alagamentos foram identificados como principais fontes de pobreza, especialmente nas áreas rurais.