Ásia e Pacífico

Fracasso em negociação intra-afegã pode gerar ‘onda desastrosa’, apela ONU

Quase metade da população do país passa fome e tratativas desandaram após anúncio de retirada de tropas dos EUA

Com o futuro de milhões nas mãos das negociação de paz intra-afegã, a comunidade internacional também deve cooperar e pressionar por um acordo de paz no país.

O pedido é do chefe da Acnur (Agência das Nações Unidas para Refugiados), Filippo Grandi, na conferência internacional de doadores desta segunda (23).

“O fracasso faria com que o Afeganistão retrocedesse, com consequências desastrosas, incluindo novas ondas de deslocamento – possivelmente em grande escala”, disse.

A negociação intra-afegã entre o governo e Taleban seguem em Doha, no Catar, desde outubro. O anúncio da saída das primeiras tropas norte-americanas, na última terça (17), no entanto, enfraqueceu a negociação e houve aumento da violência no país, apontou a Al-Jazeera.

Fracasso em negociação intra-afegã pode desencadear 'onda desastrosa', apela ONU
Escola no Afeganistão, em maio de 2006 (Foto: UN Photo/Eskinder Debebe)

Com o fluxo, pelo menos 300 mil afegãos se deslocaram dentro do país, que protagoniza uma das crise humanitárias mais acentuadas do mundo.

O apelo vem na esteira de uma possível redução nas doações enviadas ao país. Países estariam cogitando impor restrições mais rígidas à ajuda humanitária enviada ao Afeganistão para pressionar um acordo de paz e melhoria na distribuição dos recursos.

No Afeganistão, cerca de 16 milhões estão passando fome após a paralisação das atividades para evitar proliferação da Covid-19. É o equivalente a 43% de sua população.

Com os conflitos e os deslocados, a tendência é que a fome seja uma realidade de grande maioria da população, como já estima o Programa Mundial de Alimentos.