Nômades afegãos enfrentam dilema sobre isolamento durante a pandemia

Com os bloqueios impostos para evitar a disseminação do Covid-19, pastoreio e venda de produtos se tornaram difíceis
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Contaminação pelo novo coronavírus ou a fome: os nômades afegãos, os kuchis, precisam enfrentar esse dilema desde que a pandemia do Covid-19 chegou ao país, em meados de março.

Até esta quarta (1º), o Afeganistão registrou 32 mil casos da doença e 807 mortes, segundo dados divulgados pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Os kuchis ganham a vida pastoreando ovelhas, cabras e camelos ao redor do país. Com os bloqueios impostos para evitar a disseminação do vírus, o trabalho se tornou muito difícil.

As restrições põem em risco o comércio de gado e de produtos lácteos, o que prejudica a renda e a capacidade de colocar comida na mesa.

Segundo o Ifad (Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola), em áreas como Nangarhar e Logas, os kuchis estão ganhando 40% a menos com os cordeiros, na comparação com o período antes da pandemia.

Nômades afegãos enfrentam dilema sobre isolamento durante a pandemia
Nômades afegãos enfrentam dificuldade para trabalhar em meio à pandemia (Foto: Ifad/Reprodução)

Os impactos da crise de saúde incluem ainda o aumento no preço de alimentos na região. A farinha de trigo, por exemplo, ficou 18% mais cara entre março e junho deste ano. O preço de leguminosas, açúcar e arroz aumentou 22%.

Os nômades afegãos estão entre os grupos mais pobres e marginalizados do Afeganistão. Décadas de conflito, seca e degradação das áreas de pastagem prejudicaram os meios de subsistência. Atualmente, cerca de 30% dos 1,5 milhão de kuchis enfrenta insegurança alimentar.

Na tentativa de minimizar os impactos da pandemia entre os kuchis, o IFAD promove uma campanha de conscientização sobre o vírus com mais de 160 nômades afegãos que foram capacitados como veterinários por um projeto criado em 2015.

Além disso, kits de higiene, que incluem máscaras de proteção e sabonetes, foram distribuídos em 48 mil lares kuchis.

Tags: