Comércio Exterior

Maioria das medidas de importação pós-Covid do G20 mirou abertura, diz OMC

Das 93 medidas comerciais para resposta ao novo coronavírus, 65 facilitaram o comércio; 1/3 foi protecionista

[social-share]

Os países-membros do G20 adotaram mais políticas comerciais de abertura, para facilitar a importação, do que práticas protecionistas durante a pandemia do novo coronavírus, aponta relatório da OMC (Organização Mundial do Comércio).

Em meados de maio, a OMC analisou que 65 das 93 medidas comerciais relacionadas ao Covid-19 facilitaram o comércio. Houve redução tarifária, eliminação de impostos de importação e redução dos direitos de exportação. As mudanças compreenderam um valor de US$ 735,6 bilhões.

É o valor mais alto desde 2014. Também superou em muito as medidas de facilitação de importação, de US$ 92,6 bilhões, registradas entre maio e outubro do ano passado.

G20 adota medidas para facilitar importação mesmo diante restrições comerciais
Transporte de carga em porto de Hamburgo, na Alemanha (Foto: Pexels/Reprodução)

No início da pandemia, 90% dos países introduziram restrições comerciais. Desde então, as economias do G20 revogaram 36% delas e diminuíram barreiras à importação de muitos produtos. A maioria é de uso frequente durante a crise de saúde global, como máscaras, luvas e medicamentos.

O relatório traz ainda detalhes sobre medidas gerais de apoio econômico implementada pelos governos. A maioria das 468 propostas são de natureza temporária e incluem programas de apoio, empréstimos, garantias de crédito e pacotes de estímulo, segundo a organização.

Brasil

No Brasil, a OMC registrou nove medidas de comércio impostas pelo governo relacionadas à crise de saúde global.

Entre elas, estão a eliminação de tarifas de importação para equipamentos de proteção individual e a implementação de esquema especial de licenciamento de exportação de bens para combater a pandemia.

Houve também registros de medidas adotadas pelo governo da Argentina, que suspendeu temporariamente os direitos anti-dumping sobre a importação de soluções parenterais vindas do Brasil e do México.