Américas

Teorias da conspiração estimulam extrema direita no Canadá

Parte da população acredita que Covid-19 faz parte de uma trama global para controlar os canadenses

Protestos marcados por teorias da conspiração, sentimento anti-China e supremacia branca dão impulso à extrema direita no Canadá em meio à pandemia do novo coronavírus. As informações são da revista Foreign Policy.

Em Toronto e Vancouver, manifestantes se reuniram nas ruas para pedir o fim da quarentena imposta por todo o país, com cartazes de ameaça ao primeiro-ministro Justin Trudeau, invasão a um hospital que afirmavam estar vazio e destruição de uma bandeira chinesa.

No Canadá, até esta segunda (25), já foram registrados 84 mil casos confirmados da doença e 6,3 mil mortes, de acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

O país perdeu 2 milhões de empregos em abril, levando 13% da população ao desemprego, a maior taxa desde 1982.

Os impactos econômicos dão mais munição aos manifestantes, que vão desde os que se irritam com as consequências da quarentena na economia aos que acreditam que o vírus é uma trama global da China, da OMS e das Nações Unidas para controlar os canadenses.

Teorias da conspiração estimulam extrema direita no Canadá
Murais em Vancouver, no Canadá (Foto: Ted McGrath/Flickr)

Teorias e inimigos

Os que acreditam nas teorias da conspiração miram o Partido Liberal, atualmente no poder. O alvo favorito é a chefe de saúde pública canadense, Theresa Tam, que nasceu em Hong Kong e tem ascendência chinesa.

Tam teve um papel importante na resposta canadense a doenças como SARS, gripe suína e ebola. Hoje, é considerada a principal conselheira do governo para o Covid-19. Por isso, analisa a revista, tornou-se um inimigo comum identificável para a extrema direita.

O Partido Conservador do Canadá tem aproveitado a onda de teorias conspiratórias preconceituosas para ganhar visibilidade entre a população.

Derek Sloan, membro do parlamento e candidato à liderança do partido, perguntou diante as câmeras se Tam trabalhava para o Canadá ou para a China. Somente após dias de muita pressão popular, o atual líder do partido, Andrew Scheer, condenou as declarações de Sloan como “não apropriadas”.

Desde a vitória de Donald Trump, nos Estados Unidos, políticos da extrema direita no Canadá vem tentando emular seu modus operandi. E, assim como no país vizinho, a proliferação de teorias da conspiração tem atrapalhado o diálogo nacional, aponta a revista.

Em janeiro deste ano, por exemplo, a principal agência de saúde pública do país foi forçada a negar publicamente a teoria de que espiões chineses haviam desenvolvido secretamente o vírus em solo canadense.