Tribunal do Reino Unido remove bloqueio a ouro da Venezuela

Para corte, interdição é "contraditória" e demanda que Londres esclareça relação diplomática com Maduro
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Um tribunal de apelação do Reino Unido reverteu nesta segunda (5) a decisão de bloquear US$ 1 bilhão em ouro do governo da Venezuela nos cofres da Inglaterra.

No dia 2 de julho, outro tribunal inglês reconheceu o líder da oposição, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela, o que gerou o bloqueio dos recursos nos bancos ingleses. A corte, no entanto, considerou a decisão contraditória, informou a Bloomberg.

Segundo o juiz Stephen Males, o reconhecimento do Reino Unido sobre o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, é no mínimo “ambíguo”. “As declarações do governo do Reino Unido sobre Guaidó não refletem a realidade das relações diplomáticas continuadas de Londres com Maduro.”

Tribunal do Reino Unido remove bloqueio a ouro da Venezuela
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em visita à Rússia, em setembro de 2019 (Foto: Kremlin)

De acordo com a embaixadora venezuelana no Reino Unido, Vanessa Neumann, a decisão não representa a concessão do controle do ouro à Venezuela, mas a sua devolução ao tribunal comercial.

“O juiz ordenou o regresso para obter uma declaração mais precisa”, disse a embaixadora de Guaidó em coletiva de imprensa.

Na prática, é o Ministério das Relações Exteriores inglês que deve esclarecer se aceita Maduro como presidente da Venezuela, ou não. Em 2019, Londres já havia apontado que reconhecerá Guaidó como presidente interino até a realização de novas eleições.

Destino dos recursos

Depois do bloqueio, em julho, o Banco Central da Venezuela processou o Bank Of England para ter acesso ao ouro. Os recursos estão sem destino desde que os Estados Unidos pressionaram a Inglaterra para bloquear qualquer tentativa de Caracas recuperar os valores.

O ouro seria usado para comprar alimentos e medicamentos através do Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) na resposta do país à pandemia da Covid-19.

Em Londres, Neumann afirmou que entrará em contato com o secretário de Assuntos Externos do Reino Unido, Dominic Raab. O objetivo é convencê-lo a seguir com o apoio em Guaidó. “O tribunal do Reino Unido não vai entregar o ouro ao regime de Maduro”, disse Neumann à Bloomberg.

Tags: