Democracia no Mundo

Em protesto contra governo da Rússia, jornalista morre após atear fogo em si mesma

A invasão de forças policiais ao apartamento de Irina Slavina motivou o protesto em Nijni, a 400km de Moscou

“Vou conseguir justiça, mãe”, foi a última frase escrita pela jornalista Irina Slavina no Facebook antes de morrer em um protesto contra o governo da Rússia na última sexta (2).

Crítica ao Kremlin, Irina teve a sua casa invadida e revistada na quinta (1), na cidade de Nijni, a 422 quilômetros de Moscou. Em frente do quartel da polícia, a jornalista ateou fogo em si mesma e morreu no local como protesto, registrou o jornal norte-americano “The New York Times”.

Segundo Slavina, os agentes procuravam por relação com o grupo de oposição Open Russia. O Comitê de Investigação do país afirmou que a relação da morte com a busca em seu apartamento era “infundada” e disse que vai investigar o caso.

“Culpe a Federação Russa por minha morte”, disse ela antes de morrer ao portal independente Koza Press, onde era fundadora.

Em protesto contra Rússia, jornalista morre após atear fogo em si mesma
A jornalista Irina Slavina (Foto: Reprodução/Facebook)

Perseguição a jornalistas

A morte de Slavina é mais um capítulo da conturbada relação entre o Kremlin e os jornalistas do país. As ameaças são constantes e crescentes, disse a ONG Justiça para Jornalistas em um comunicado.

Segundo a organização, há registro de mais de 1,1 mil ataques contra jornalistas na Rússia desde o começo de 2020. De 2017 a 2019, 15 profissionais da imprensa morreram e um desapareceu.

“A Rússia continua sendo um país onde trabalhar como jornalista está associado a maiores riscos para a vida, saúde e liberdade”, apontou o estudo.

A Koza Press se destacou com reportagens investigativas sobre o Serviço de Segurança Federal da Rússia – a agência mais poderosa do país.

Censurada diversas vezes quando trabalhava em veículos tradicionais, Irina revelou em uma entrevista no ano passado que perdeu o emprego três vezes “por meter o nariz longe demais”. Agora o portal pede ajuda financeira dos leitores para o funeral da jornalista.