Índia aprova reforma trabalhista sob promessa de desburocratização

Para governo, 90% dos indianos trabalham como informais por conta de legislação complexa; especialistas discordam
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Aprovadas pelo Parlamento da Índia na quarta (23), as novas leis trabalhistas devem reduzir a densa burocracia do país, informou a Reuters. Hoje quase 90% dos trabalhadores indianos estão no mercado informal, sem segurança, benefícios ou pagamento adequado.

O governo indiano alega que essa realidade está atribuída a leis trabalhistas “muito complexas”. Segundo o ministro do Trabalho, Santosh Kumar Gangwar, com as novas leis as empresas precisarão de menos registros e licenças para seu funcionamento.

Novas leis trabalhistas querem reduzir burocracia da Índia
Trabalhador informal indiano transporta alimentos nas ruas de Mumbai em abril de 2016 (Foto: Flickr/Hachim Pi)

De acordo com o Banco Mundial, a Índia está entre os países que menos cumprem contratos devido à demora no sistema burocrático. O país fica atrás do vizinho Paquistão, da Síria e do Senegal.

Com a aprovação parlamentar, a Índia substitui 44 leis trabalhistas por quatro códigos. O primeiro, sancionado no ano passado, estabeleceu um salário mínimo aos trabalhadores do setor informal.

Direitos do trabalhador

A nova legislação permite agora a introdução de direitos como exames de saúde, visitas domiciliares e ajuda de emergência.

Mas as medidas não são para todos. Em uma das disposições, o código define que benefícios os ofertados deverão levar em consideração o tamanho da empresa empregadora.

Neste ponto, especialistas afirmam que as reformas só irão ampliar a força de trabalho no setor informal, composto por mais de 400 milhões de indianos, disse a ONG Aajeevika.

Além disso, as novas leis de demissões e fechamentos só se aplicam a empresas com mais de 300 trabalhadores. “A legislação atualizada é substancialmente voltada para os empregadores”, disse o economista trabalhista Shyam Sundar à Reuters.

Tags: