Burocracia prejudica plano da Índia de se tornar ‘alternativa comercial’ à China

Insegurança no ambiente de negócios e morosidade no sistema jurídico afastam investidores estrangeiros
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Os planos do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, de transformar a Índia em “alternativa comercial” à China são dificultados pela burocracia e pela insegurança jurídica, que pautam o ambiente de negócios local.

A Índia é um dos países com quem se têm maior facilidade em fazer negócios, segundo dados do Banco Mundial. Já o cumprimento de contratos deixa a desejar: a nação fica atrás de Paquistão, Síria e Senegal.

Burocracia prejudica tentativa da Índia de se tornar 'alternativa comercial' da China
Homem caminha no comércio fechado de Nova Delhi, na Índia, em agosto de 2018 (Foto: Pexels/Abhishek Goel)

A complexidade e os atrasos desnecessários colocam a burocracia indiana em uma posição mais baixa que a chinesa, considerada uma das mais rígidas do mundo.

Segundo o jornal “South China Morning Post“, de Hong Kong, o sistema judicial da Índia possui quase 40 milhões de processos pendentes.

Em 25 tribunais superiores estaduais, 173 mil aguardam desfecho há mais de 20 anos. Desses, mais da metade tem o governo como uma das partes envolvidas.

Com tantas dificuldades, o investidor estrangeiro busca paragens mais tranquilas para realizar aportes produtivos, de longo prazo.

“A Índia está competindo contra Singapura, Tailândia e outros países que são muito mais rápidos para resolver disputas“, diz Sauvik Ganguly, sócio-gerente de uma empresa de Mumbai.

Lentidão recorrente

Um caso emblemático foi o um falsificador de açafrão condenado a um mês de prisão e uma multa de 500 rúpias (R$ 36,65), em 1982. A ação terminou em fevereiro, após 38 anos.

A aquisição da cadeia indiana de hospitais Fortis Healthcare exemplifica o imbróglio burocrático indiano. A empresa de saúde malaia IHH Healthcare precisou de quatro anos de negociação para chegar a um acordo de US$ 500 milhões com os bilionários Malvinder e Shivinder Singh.

Tags: