Retração de 24% do PIB no 2º trimestre atrasará retomada da economia da Índia

Indianos vive maior retração econômica registrada desde a independência da Coroa britânica, em 1947
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Especialistas já esperam forte atraso na recuperação da economia da Índia, informou a Reuters na segunda (31). O impacto da pandemia no segundo trimestre, entre abril e junho, gerou retração de 23,9% no PIB (Produto Interno Bruto) ante o mesmo período de 2019.

O baque é ainda mais forte que os 18,3% previstos pela equipe econômica do primeiro-ministro, Narendra Modi. É a maior contração econômica registrada na Índia desde a independência do domínio britânico, em 1947.

O país só não ficou atrás do Peru, cujo PIB sofreu retração de 27,5%, e dos EUA, com 32,5%, no segundo trimestre deste ano.

Encolhimento de 24% atrasa recuperação da economia da Índia
Trabalhadores têm medição de temperatura na rua em Nova Delhi, capital da Índia, em imagem de junho (Foto: Flickr/Gwydion M. Williams)

Grande parte da retração vem da queda no consumo das famílias, principal motor da economia indiana, que caiu 31,2% no trimestre encerrado em junho.

O desemprego atingiu em cheio a economia indiana, que depende de vagas informais. Em abril, quase um quarto da população de 1,3 bilhão estava sem trabalho em decorrência da crise do novo coronavírus.

Como consequência, a atividade nos setores de comércio e construção despencou 50%. Os investimentos privados também sofreram queda significativa: 47,9%.

Ainda tímido, o único setor com índices positivos é o da produção rural, que cresceu 3,4% no segundo trimestre de 2020. A expectativa é que desempregados retornem ao interior do país, onde há trabalho no agronegócio local.

O economista-chefe do Ministério das Finanças, Krishnamurthy Subramanian, disse à Reuters que estima uma recuperação em “forma de V” para os próximos meses.

O formato representa rápida escalada no desempenho para os próximos trimestres. O empuxo viria do aumento do frete ferroviário, do consumo de energia e da arrecadação de impostos, afirmou o economista.

Tags: