Preso desde janeiro, Navalny faz greve de fome por falta de atendimento médico

Político de oposição relata dores agudas nas costas, dormência nas pernas e afirma sofrer maus tratos na prisão
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Detido desde janeiro, o político de oposição russa Alexei Navalny iniciou uma greve de fome por falta de atendimento médico adequado. O ativista foi preso assim que retornou à Rússia após uma tentativa de envenenamento e meses em recuperação na Alemanha.

Navalny relata dores agudas nas costas e dormência nas pernas. Ele já alegou ter sofrido maus tratos na prisão, incluindo privação de sono. “Exijo que Moscou obedeça a lei e que um médico venha me visitar”, disse ele em mensagem publicada por seus advogados no Instagram.

Os únicos medicamentos aos quais Navalny tem acesso são ibuprofeno e analgésicos tópicos. No domingo (28), 500 profissionais da saúde da Rússia lançaram um comunicado conjunto exigindo um médico independente para o político.

Preso desde janeiro, Navalny declara greve de fome por falta de atendimento médico
O opositor ao Kremlin, Alexei Navalny, conversa com um de seus advogados antes de ser levado à prisão de Poskov, em março de 2021 (Foto: Reprodução/Twitter/Alexei Navalny)

“Deixar um paciente nesta condição pode levar a graves consequências para a saúde, incluindo uma perda irreversível das funções dos membros inferiores”, diz a petição do grupo acessada pela rede alemã Deutsche Welle.

Em comunicado, o serviço penitenciário russo afirmou que examinou Navalny. “Saúde satisfatória”, diz a nota. Em fevereiro, autoridades russas condenaram o político a dois anos e meio de prisão por “violar os termos da liberdade condicional” enquanto estava na Alemanha.

Condenação

A sentença está ligada a uma condenação por peculato de 2014 – tida como forjada por Navalny e rejeitada como ilegal pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Navalny está na penitenciária de Pokrov, a 100 quilômetros de Moscou.

A Rússia já foi investigada pelos maus tratos em seu sistema prisional e um dos casos mais notórios, de Sergei Magnitsky. O contador foi preso após ser contratado para investigar uma suposta fraude fiscal de US$ 230 milhões por oficiais russos. Na prisão, desenvolveu pancreatite e teve atendimento médico negado.

“Mikhail Khodorkovsky [oligarca russo preso por uma década após apoiar grupos de oposição] me avisou para não ficar doente na prisão”, relatou Navalny na rede social. “Um colega em minha cela teve um apêndice inflamado e só o levaram ao hospital depois que ele perdeu a consciência”.

Tags: