Após acordo, UE deve conciliar não-democráticos e redução em saúde

Antes de aprovar orçamento para 2021 a 2027, UE precisa da aprovação unânime de todos os Estados-membros
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O acordo fechado pelo Conselho e Parlamento da UE (União Europeia), na terça (11), deve ser só o primeiro capítulo de um longo debate. Além de viabilizar o pacote de gastos históricos de 1,8 trilhão de euros para 2021 a 2027, o bloco ainda precisa lidar com alguns empecilhos.

De acordo com o portal Politico, um fator que ainda atrasa a aprovação unânime do Orçamento é a resistência sobre o alinhamento dos financiamentos de recuperação da pandemia a práticas democráticas.

Sem o aval de todos os países do bloco para o orçamento dos próximos sete anos, não é possível avançar em nenhuma negociação.

Após acordo, UE deve conciliar resistência de não-democráticos e redução em saúde
Bandeira da União Europeia em Madri, capital espanhola, em maio de 2006 (Foto: Domínio Público)

Do novo fundo de recuperação de 750 bilhões de euros, pelo menos 672,5 milhões estão atrelados aos mecanismos de recuperação e resiliência – uma medida cobrada pela maioria dos países europeus para conter a onda de recuos democráticos no continente.

À frente das barreiras do processo está o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Obrán. Nacionalista, o político afirma que impôr o respeito ao Estado de direito é “igualar a UE à antiga União Soviética”.

Saúde, pesquisa e educação

Outro ponto de discussão do acordo da UE vem na esteira da Covid-19. Com a pandemia, o financiamento em saúde e pesquisa figurou nos primeiros lugares na lista de prioridades do Parlamento durante as negociações. O adicional foi de 3,4 bilhões de euros no programa de saúde.

Muitos deputados, no entanto, não julgam o valor suficiente. “É um acréscimo de 4 bilhões de euros após cortes massivos“, disse o secretário-geral da Liga de Universidades Europeias de Pesquisa, Kurt Deketelaere.

No início das negociações, cerca de 9,4 bilhões de euros haviam sido destinos à saúde. O processo terminou com 5,1 bilhões à pasta. “É uma decepção após uma campanha de dois anos”, lamentou Deketelaere.

Além desses valores, a presidência alemã do Conselho da UE concordou em destinar 15 bilhões extras a programas orçamentários nas áreas de saúde, pesquisa e educação.

Tags: