Artigos

ARTIGO: Como colocar Lukashenko em seu lugar

O Ocidente deve tomar medidas proporcionais ao aumento da agressão do presidente belarusso contra seus opositores

Este conteúdo foi publicado originalmente em inglês no site Just Security

Por Daniel Fried*

Aleksandr Lukashenko e suas táticas agressivas não são um problema novo para o Ocidente. Ele roubou eleições, brutalizou a oposição e desrespeitou as regras e normas internacionais durante anos. O Ocidente, alternativamente, gritou, sancionou, intimidou, negociou e estendeu a mão, em última análise, sem sucesso. Apesar de um movimento democrático que desafiou Lukashenko, o homem forte permanece no poder e ainda controla o aparato de segurança.

Mas Lukashenko recentemente intensificou suas táticas de terror, e elas se espalham além das fronteiras de Belarus. Em 3 de agosto, o corpo de Vital Shyshou, um ativista democrático belarusso no exílio em Kiev, foi encontrado enforcado em um parque na capital ucraniana. Nos últimos dias, as autoridades belarussas tentaram forçar a velocista olímpica Krystsina Tsimanouskaya a retornar a Belarus dos Jogos de Tóquio depois de ela criticar as autoridades do país. Em maio, o regime de Lukashenko fez pousar um voo comercial da Ryanair com destino a Vilnius para prender o jornalista dissidente belarusso Roman Protasevich. Centenas de cidadãos belarussos foram presos e torturados por protestarem contra fraude nas eleições presidenciais de agosto passado por Lukashenko, que perdeu para Sviatlana Tsikhanouskaya, agora o líder da oposição democrática belarussa que vive no exílio em Vilnius, Lituânia.

A violência contínua de Lukashenko contra dissidentes supostos oponentes e os oponentes reais exige uma resposta enérgica do Ocidente para perfurar sua aparente sensação de impunidade. Washington e Bruxelas precisam impor consequências maiores também para servir como uma mensagem de advertência ao protetor de Lukashenko, o presidente russo Vladimir Putin, cujos métodos (incluindo o assassinato de oponentes do regime em solo estrangeiro) Lukashenko parece estar copiando. Os Estados Unidos e o Reino Unido precisam igualar e ir além das amplas sanções econômicas com as quais a UE já concordou.

Alexander Lukashenko, presidente de Belarus, durante discurso na Assembleia Geral da ONU, NY, 2015 (Foto: UN Photo/Amanda Voisard)

Por muito tempo um ditador, Lukashenko mostrou habilidade em manter distância de Putin e, como resultado, às vezes respondeu às pressões dos EUA e da Europa e às ofertas condicionais de melhores laços, por exemplo, libertando prisioneiros políticos. Esses dias ficaram para trás. Diante de protestos sociais em massa e sustentados depois de roubar a eleição presidencial de agosto de 2020 de Tsikhanouskaya, esposa do ativista da oposição Sergei Tikhanovsky, Lukashenko adotou novos níveis de repressão.

Lukashenko não conseguiu destruir a oposição, cujos líderes em muitos casos buscaram refúgio nas vizinhas Letônia, Lituânia, Polônia e Ucrânia. A oposição está crescendo rapidamente em sofisticação, como demonstrado pela visita bem executada aos Estados Unidos no mês passado por Tsikhanouskaya e sua equipe sênior, na qual ela se encontrou com o presidente Joe Biden, o secretário de Estado Antony Blinken, membros do Congresso e um anfitrião de ONGs, acadêmicos e líderes do Vale do Silício. O seu objetivo, afirmado de forma consistente por Tsikhanouskaya, é dar ao povo belarusso uma escolha democrática sobre quem lidera o seu país. No mesmo dia em que o corpo de Shyshou foi encontrado em Kiev, Tsikhanouskaya foi calorosamente recebida em Londres pelo primeiro-ministro Boris Johnson no nº 10 de Downing Street.

Enquanto isso, Lukashenko luta por sua posição e Putin luta para impedir que um movimento democrático tenha sucesso em um país que ele considera um Estado vassalo e, portanto, sujeito à sua autoridade.

O Ocidente deve tomar medidas proporcionais ao aumento da agressão de Lukashenko. Não foi inativo. Tanto o Reino Unido quanto a UE responderam rapidamente à pirataria aérea de Lukashenko em maio, proibindo voos comerciais belarussos de pousar na Europa e os seus próprios de pousar ou sobrevoar o espaço aéreo belarusso. Em junho, eles e os Estados Unidos acrescentaram sanções adicionais a indivíduos e entidades do regime, incluindo altos funcionários do regime e a KGB belarussa.

As sanções da UE foram amplas, incluindo as exportações de Belarus e o financiamento a empresas estatais belarussas. Washington está se preparando para seguir com novas sanções (e talvez uma nova ordem executiva) por volta de 9 de agosto, o aniversário da eleição roubada em Belarus.

Mas o tempo que levou para preparar um novo conjunto de sanções nos EUA deu a Lukashenko espaço para sua escalada. O Ocidente precisa de uma vara maior.

Os Estados Unidos e a Europa têm opções. Uma lista ilustrativa – algumas das quais, espero, podem ser incluídas no próximo pacote dos EUA – poderia incluir:

  • Impor sanções às redes pessoais de Lukashenko. Os Estados Unidos têm o próprio Lukashenko sob sanções desde que ele roubou as eleições de 2006. Pegando emprestado de sua autoridade sob as sanções globais de Magnitsky, os Estados Unidos deveriam perseguir os membros da família de Lukashenko. Os Estados Unidos sancionaram seu filho, Viktor, mas sua esposa e outros dois filhos continuam não sancionados.
  • Sancionar o círculo de amigos de Lukashenko. A oposição belarussa começou a identificar quem é quem no círculo íntimo de Lukashenko. Ir atrás dos comparsas de Lukashenko demonstraria a eles e à sociedade belarussa que Lukashenko não pode intimidar os Estados Unidos e a Europa ou fornecer proteção para sua gangue.
  • Sanções financeiras: sancionar totalmente os bancos estatais de Belarus; proibir todo o financiamento para as empresas estatais de Belarus e bloquear a emissão de novas dívidas do Estado de Belarus. Os Estados Unidos devem igualar e superar as sanções de junho da UE. Mas devem proibir negociações de mercado primário e secundário apenas em novas dívidas, já que ir atrás de estoques de dívida existentes prejudicaria mais os investidores do que o regime de Lukashenko.
  • Sanções comerciais. Os Estados Unidos devem acompanhar as restrições da UE às exportações de fertilizantes e produtos petrolíferos, e ambos devem procurar fechar as lacunas nas medidas da UE que permitem que algumas exportações desses bens geradores de receita continuem.
  • Restringir o envolvimento de instituições financeiras internacionais (IFI) em Belarus. Os Estados Unidos e a Europa devem limitar o acesso de Belarus a esses fundos à luz dos resultados eleitorais claramente fraudulentos.
  • Expulsar oficiais de inteligência de Belarus das embaixadas da Europa e dos Estados Unidos. Os Estados Unidos e países europeus fizeram o mesmo após a tentativa de assassinato pela inteligência russa de um russo em território britânico. O regime de Belarus retaliará, e os Estados Unidos não devem tentar fechar a embaixada de Belarus em Washington, já que as embaixadas desempenham funções importantes no atendimento ao cidadão e na emigração, e continua sendo útil ter uma presença oficial no terreno. Mas, dada a ameaça de oficiais de inteligência de Belarus de tentarem assassinatos na Europa, no Reino Unido ou nos Estados Unidos, a expulsão de oficiais individuais seria prudente, para dizer o mínimo.

Nossas opções não se limitam a paus. No longo prazo, o apoio ao movimento democrático pode ser mais importante do que a pressão sobre o regime. Os Estados Unidos começaram a tratar Tsikhanouskaya e sua equipe como líderes nacionais de Belarus, na verdade, se não ainda no nome, da mesma forma que trataram Lech Walesa e o movimento Solidariedade na Polônia após a imposição da lei marcial. Os Estados Unidos e a Europa responderam à lei marcial na Polônia com apoio político consistente e assistência ao Solidariedade, um bom precedente que deve ser seguido hoje.

Além disso, os apropriadores do Congresso incluíram recentemente US$ 30 milhões para Belarus, o que é um aumento enorme. Nem os EUA estão agindo sozinhos. A UE ofereceu 3 bilhões de euros para Belarus se o país “mudar de rumo”. A Lituânia e a Polônia já oferecem abrigo seguro para o movimento democrático de Belarus e outros que estão sendo perseguidos (como a velocista Tsimanouskaya). Washington e Bruxelas devem deixar claro que não tolerarão a agressão de Lukashenko, que fornecerão proteção aos exilados políticos de Belarus e que tais advertências se aplicam à Rússia e sua rede de provocadores e oficiais de inteligência e assassinos.

A pressão sobre um regime despótico e o apoio à oposição democrática podem não ter resultados imediatos ou mesmo de curto prazo. Mas a história mostra que pode ter resultados importantes a longo prazo, especialmente se o mundo livre quiser. Em Belarus, devemos finalmente ser sinceros.

*O embaixador Daniel Fried é membro distinto da família Weiser no think tank norte-ameicano Atlantic Council. Anteriormente, atuou como Assistente Especial e Diretor Sênior do NSC para os Presidentes Clinton e Bush, Embaixador na Polônia e Secretário de Estado Adjunto para a Europa (2005-09) e Coordenador do Departamento de Estado para Política de Sanções.