ONU: Cerca de 1,8 bilhão dependem de instalações de saúde onde falta água

Ausência do serviço coloca agentes de saúde e pacientes sob alto risco de infecções, alertaram a OMS e a Unicef
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Este conteúdo foi publicado originalmente no portal ONU News, da Organização das Nações Unidas

Em todo o mundo, cerca de 1,8 bilhão de pessoas estão sob maior risco de se contaminarem com o novo coronavírus que em qualquer outra parte do globo. A razão é a falta d’água em instalações de saúde utilizadas por elas.

Em comunicado nesta quinta-feira (14), o diretor-geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), Tedros Ghebreyesus, disse que trabalhar nessas condições é o mesmo que enviar enfermeiros e médicos aos hospitais sem equipamentos de proteção.

Os serviços de água, saneamento básico e higiene são fundamentais para vencer a Covid-19. E a situação é grave nos países menos desenvolvidos, como aponta o Relatório Global sobre Instalações de Saúde para Água, Saneamento e Higiene. 

ONU: Cerca de 1,8 bilhão dependem de instalações de saúde onde falta água
Menino lava as mãos em local improvisado na cidade de Tiburon, Haiti, em maio de 2020 (Foto: Unicef/Edler Fils Guillaume)

O problema é evidenciado pelos riscos de contaminação nesses locais e a falta de prevenção e controle adequados da pandemia. Em todo o mundo, uma e cada quatro instalações hospitalares não tem água corrente.

Além disso, apenas uma em cada três não oferece recursos para a lavagem de mãos. Pelo menos 10% desses locais não têm saneamento básico e 30% não descartam o lixo hospitalar de forma segura.

Resistência antimicrobiana

A diretora executiva do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Henrietta Fore, afirma que essa situação já colocava pacientes e pessoal de saúde em risco antes da pandemia, mas depois da Covid-19 se tornou impossível continuar ignorando esses problemas.

Nos 47 países menos desenvolvidos do mundo, uma em cada duas clínicas não tem água potável e em 25% das instalações de saúde não se pode fazer a higiene das mãos. Três de cada cinco não têm saneamento básico. 

Com apenas US$ 1 per capita por dia é possível auxiliar as 47 nações a construírem esses serviços, diz o estudo. Em média, apenas 20 centavos de dólares por dia ajudam a manter as operações dessas clínicas nesses países.

O relatório recomenda mais investimentos para melhorar a higiene das instalações e dos usuários o que por si é uma forma de combater a resistência antimicrobiana. O relatório foi feito em 165 países com base em pesquisas de 760 mil instalações de saúde.

Tags: