Arábia Saudita cria fundo de US$ 4 bi para setor de turismo

Meta do governo é diminuir dependência do petróleo e aumentar número de visitantes estrangeiros
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A Arábia Saudita quer mais turistas em seu território. Para desenvolver o setor, o país anunciou a criação de um fundo de US$ 4 bilhões, informou a Bloomberg no último domingo (21).

O fundo faz parte de um pacote de estímulo ao setor que chega a US$ 45 bilhões, de acordo com memorandos de entendimento assinados com bancos comerciais.

Em abril, o governo saudita já havia anunciado que auxiliaria o financiamento de projetos para hotéis e resorts, agências de turismo, museus e iniciativas de ecoturismo e agroturismo.

Segundo informe oficial de Riad, os interessados poderiam pleitear linhas de crédito no Banco Social de Desenvolvimento local.

Arábia Saudita cria fundo de US$ 4 bi para setor de turismo
Arquitetura islâmica em Meca, cidade turística na Arábia Saudita (Foto: Tofazzal Hossain Raju/ Pexsels)

O fundo faz parte das metas de desenvolvimento do país para os próximos dez anos, batizada de Visão 2030. Até lá, Riad pretende que o setor turístico responda por mais de 10% do PIB (Produto Interno Bruto) local e crie cerca de um milhão de empregos.

Trata-se de uma estratégia capitaneada pelo príncipe Mohammad bin Salman. A meta é a diversificação da economia e uma menor dependência do setor de petróleo, que representa metade do produto do país.

Em meados de 2019, o país já ensaiava uma flexibilização dos rígidos costumes baseado na interpretação local do Islã.

Em setembro, caiu a obrigatoriedade de mulheres estrangeiras vestirem abayas, trajes pretos que só deixam os olhos à mostra, informou a Bloomberg.

Em novembro, influenciadores dos EUA e da Austrália foram criticados por aceitar promover o país em suas redes com viagens pagas por Riad. Os blogueiros foram lembrados em público do vasto histórico de violações aos direitos humanos por parte da Arábia Saudita, explicou o jornal “The New York Times“.

Tags: