Painel independente da ONU aponta crimes cometidos em meio à guerra do Iêmen

Especialistas citam restrições ao acesso humanitário, detenções arbitrárias, violência de gênero e sexual, tortura e desaparecimentos forçados
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Um painel independente reunido pela ONU (Organização das Nações Unidas), composto por especialistas em direitos humanos, alerta para o aumento do clima de medo entre os civis do Iêmen. O grupo apresentou na quarta-feira (8) um relatório que avalia os últimos 12 meses de guerra civil no país

O painel condena as violações de direitos humanos que continuam acontecendo no Iêmen, que já enfrenta seis anos de conflito. Segundo os especialistas, todos os lados são culpados: os Houthis, que atacam os civis, e a coalizão internacional liderada pela Arábia Saudita, que apoia o governo local e que tem realizado ataques aéreos frequentes.  

O país está dividido desde 2015: de um lado, as forças do governo apoiadas pela coalizão militar; de outro, o grupo rebelde dos houthis, que tem o controle da maior parte do norte do país, incluindo a capital, Sanaa.  

Família busca pertences em escombros de antiga moradia na capital do Iêmen, Sanaa (Foto: YPN/Ocha0

No documento “Uma Nação Abandonada: Um Pedido à Humanidade para Acabar com o Sofrimento no Iêmen”, o grupo de especialistas também cita o Conselho de Transição do Sul como sendo responsável por violações, principalmente na cidade de Aden.  

Crimes Internacionais  

O relatório destaca que os dois polos do conflito cometem violações que podem ser consideradas crimes internacionais. Entre elas, as restrições impostas ao acesso humanitário e outros obstáculos para a população receber comida e água; detenções arbitrárias; desaparecimentos forçados; violência de gênero e sexual; tortura e outras formas de tratamento cruel.  

Os jornalistas e defensores de direitos humanos no Iêmen também são alvo de perseguição, e há ainda violações dos direitos das crianças.  

O documento cita também a intensificação das hostilidades em Marib e em outros locais e lamenta que a coalizão não esteja levando a sério as recomendações referentes às operações militares.  

Crise econômica e de saúde  

O presidente do grupo de direitos humanos, Kamel Jendoubi, declarou que “o clima de medo e de impunidade piorou entre os habitantes do Iêmen”, apesar de acordos políticos e de discussões de alto nível sobre a situação no país.  

O painel da ONU alertou ainda que o dia-a-dia dos iemenitas “está insuportável” para muitos. Além do conflito, a população lida com a pandemia de Covid-19, enchentes, restrições nas importações, crise econômica e falta de combustível.  

Jendoubi disse também que “no meio de uma situação intolerável, o sofrimento no Iêmen só irá acabar com vontade política genuína das partes em conflito e da comunidade internacional”. 

O relatório pede ainda ao Conselho de Direitos Humanos para garantir que a situação no país continue na agenda do órgão e para que o mandato do grupo de especialistas seja renovado. 

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News 

Tags: