Explosão em Natanz pode atrasar retomada de acordo nuclear com Irã

Com incidente, Irã já anunciou que aumentará enriquecimento de urânio para 60% e endureceu discurso sobre acordo nuclear
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A suposta “sabotagem” à instalação nuclear de Natanz, no Irã, deve atrasar as negociações recém-lançadas para reatar o acordo de 2015 entre Teerã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), disseram analistas à RFE (Radio Free Europe).

No domingo (11), uma explosão interrompeu a eletricidade em salas de produção de centrífugas na base nuclear de Natanz, província da região central do Irã. O presidente Hassan Rouhani atribuiu o incidente a Israel e prometeu vingança pelo ocorrido.

“Ativar IR-6 [centrífugas] em Natanz hoje ou elevar o enriquecimento de urânio para 60% é a resposta à sua maldade”, disse Rouhani em sua reunião diária de gabinete. “O que [Israel] fez foi terrorismo nuclear. O que fazemos é legal”.

Suposto ataque a base de Natanz deve afastar Irã de acordo nuclear
Registro da base nuclear de Natanz, Irã, em junho de 2006 (Foto: Divulgação/Hamed Saber)

Nesta terça (13), Teerã anunciou que começará a enriquecer urânio com 60% de pureza a partir da próxima segunda (19). O nível é muito superior aos 3,67% firmados em 2015 para geração de energia. Uma bomba nuclear demanda 90% de pureza.

Conforme Teerã, o suposto ataque a Natanz tinha como objetivo minar as negociações entre Teerã e Washington. O governo de Donald Trump deixou o acordo histórico em 2018. Com a eleição de Joe Biden, os EUA buscam retornar ao tratado em troca da retomada total de Teerã aos termos acordados em 2015.

Material para negociações

No dia 7, Biden afirmou que está preparado para suspender as sanções incompatíveis com o acordo nuclear, noticiou a Reuters. Teerã, porém, pediu a remoção de todas as sanções ao recursar qualquer negociação que não faça parte do acordo.

Nesta quarta (14), o aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, rejeitou as ofertas iniciais nas negociações de Viena. “As ofertas [do acordo] são geralmente arrogantes e humilhantes. Não vale a pena olhar”, disse Ali, que possui a palavra final nas negociações iranianas, em registro da Associated Press.

“Aumentar o enriquecimento para 60% é um passo significativo do Irã que deve encurtar ainda mais seu cronograma de fuga”, analisou Eric Brewer, pesquisador sênior do Centro de Estudos Estratégicos da RFE. “A política interna iraniana já está fazendo concessões difíceis. Isso só vai despejar gasolina no problema”.

A UE (União Europeia) afirmou que as negociações formais serão retomadas nesta quinta-feira, em Viena. Participam os EUA, Reino Unido, China, Rússia, França e Alemanha.

Tags: