Oriente Médio

Irã aumenta estoques de urânio e viola acordo nuclear de 2015

Estratégia de Teerã seria usar violação no acordo como forma de pressionar ocidente a levantar sanções econômicas

O Irã continua aumentando seus estoque de urânio e, portanto, violando o acordo firmado com grandes potências mundiais, alertou o supervisor da ONU (Organização das Nações Unidas) para o país. A informação é da agência de notícias Associated Press.

Em 2015, o Irã assinou o acordo nuclear com Estados Unidos, Alemanha, França, Grã-Bretanha, China e Rússia, que permite que o país mantenha estoque de apenas 202 kg, em troca de incentivos econômicos. O objetivo é impedir que o Irã desenvolva uma bomba nuclear.

Um documento que será distribuído aos países membros da AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) informou que, entre 19 de fevereiro e 20 de maio, o estoque iraniano de urânio passou de 1,1 toneladas para 1,73 toneladas.

O Irã também continua enriquecendo urânio a uma pureza de até 4,5%, superior aos 3,67% permitido no acordo assinado pelo país. As limitações em relação à água pesada, composta por uma versão mais pesada de hidrogênio, também foram ultrapassadas.

Desde a retirada dos EUA do acordo, em 2018, o Irã tem violado de maneira gradual as restrições. Seria uma forma de pressionar os demais países a aumentar os incentivos econômicos e compensar as sanções impostas pelos norte-americanos.

Há dois anos, o Irã tem estocado urânio suficiente para produzir uma arma. O governo afirma que o país não tem esse objetivo e que o programa atômico é voltado apenas para a produção de energia.

Irã aumenta estoques de urânio e continua violando acordo nuclear
Minério de urânio (Foto: AIEA/Reprodução)

Visitas

Os iranianos tem sido abertos quanto às violações do acordo e permitem que os inspetores da AIEA visitem às instalações.

Mas a agência apresentou preocupação em relação ao acesso a dois de três plantas nucleares. Em março, os dois locais foram identificados como possíveis espaços onde o Irã pode ter armazenado e utilizado material nuclear não declarado.

Há mais de quatro meses, o Irã bloqueia o acesso a outros dois locais. Um deles foi parcialmente demolido em 2004. No outro, inspetores da agência notaram que houve higienização a partir de julho de 2019, podendo ou não ser uma forma de esconder o processamento de material nuclear ali.

Segundo o supervisor da ONU, o Irã respondeu a questionamentos sobre possíveis materiais e atividades nucleares não declaradas por quase um ano.