Oriente Médio

“Grande erro”, diz Taleban sobre proposta turca de fazer a segurança do aeroporto de Cabul

Tropas dos Estados Unidos deixarão Kabul até o dia 11 de setembro, e processo de retirada tem gerado tensão e muito debate

Em meio à retirada das tropas dos Estados Unidos do Afeganistão, a ser concluída até 11 de setembro, a Turquia se ofereceu para assumir a segurança do Aeroporto Internacional Hamid Karzai, em Cabul. O Taleban, porém, se manifestou contrário a essa hipótese e fez um alerta: “A Turquia não deveria cometer um erro tão grande assim”. 

Através de seu porta-voz, Muhammad Naeem, o Taleban “deixou muito claro às forças de ocupação que não aceitará a presença de forças estrangeiras em nenhuma parte do Afeganistão”. O comunicado ainda faz referência específica à Turquia: “Não é apropriado que uma nação islâmica crie inimizade com outra nação islâmica”, conforme a agência russa Sputnik noticiou. 

O Taleban entende que a segurança local cabe exclusivamente aos afegãos e afirma que “ninguém deve ter esperança de manter presença militar ou de segurança” no país. O movimento fundamentalista reforça que qualquer presença estrangeira será vista como ocupação e promete “tomar uma posição” contra os invasores.

Exército dos EUA deixará o Afeganistão até o dia 11 de setembro (Foto: Mike Buytas/USAF)

Tensão crescente

A retirada das tropas norte-americanas, antes agendada para o dia 1º de maio, foi adiada e desagradou ao Taleban. Desde então, Washington teme que militantes talibãs direcionem seus ataques aos soldados no país, e o aeroporto tornou-se peça central no debate de segurança. 

A proposta da Turquia foi feita em maio e teria o aval dos Estados Unidos. Pelo menos 6,5 mil soldados da Otan e 2,5 mil soldados dos EUA permanecem no Afeganistão. A Turquia tem por volta de 500 militares no país, mas a missão deles não é combater, e sim treinar, aconselhar e ajudar as forças de segurança afegãs.

A redução do aparato militar liderado pelos EUA no Afeganistão é resultado de um acordo firmado com o próprio Taleban em fevereiro de 2020. Em troca da retirada, os fundamentalistas deram garantias de que negociariam um acordo político com o governo afegão.