Professores no Irã protestam por aumento salarial e melhores condições de trabalho

Educadores pedem celeridade na aprovação do aumento salarial e cobram a libertação de colegas presos nas manifestações
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Uma onda de protestos de professores no Irã, espalhados em mais de 50 cidades pelo país, reivindicam aumento salarial e melhores condições de trabalho. Nas ruas, os educadores têm disparado críticas ao governo, a quem acusam de “indiferença à educação”, segundo informações da Radio Free Europe.

Os manifestantes exigem que o governo estabeleça uma política planejada para professores com base na experiência e no desempenho. Eles também pedem que suas aposentadorias sejam devidamente alinhadas aos salários o mais rápido possível.

Vídeos gravados na capital Teerã e publicados nas redes sociais mostram os educadores fazendo cobranças às autoridades, com frases como “só ouvimos promessas, não vimos justiça” e “Parlamento incompetente, que vergonha”.

Educadores se reuniram do lado de fora do escritório do Ministério da Educação para exigir a libertação de colegas presos e a aprovação do projeto de lei para aumentar seus salários (Foto: Twitter/Reprodução)

No mês passado, sob forte pressão da categoria, o parlamento iraniano aprovou uma lei que aumenta os salários dos professores após vários dias de protestos em todo o país e uma greve ter paralisado o sistema educacional da república islâmica.

As medidas aprovadas pelos parlamentares garantem aos educadores um rendimento que corresponde a cerca de 80% dos salários dos professores universitários, que era justamente uma das reivindicações dos manifestantes.

O ministro da Educação, Yousef Nouri, garantiu que a nova legislação, que teve a proposta levada inúmeras vezes aos parlamento nos últimos anos sem ser aprovada, seria implementada rapidamente após sua aprovação, o que ainda não aconteceu.

Diversos atos foram realizados nas últimas semanas, organizados em cidades como Isfahan, Shiraz, Mashhad, Rasht, Qom e outras localidades. Em alguns momentos a polícia respondeu com agressividade. Três manifestantes foram presos.

Os protestos têm como pano de fundo uma atmosfera de inflação vertiginosa, já que o impacto das sanções aplicadas pelos Estados Unidos ao país após ter abandonado o acordo nuclear em 2018, somado a anos de má administração, atingiu duramente a nação do Oriente Médio.

Tags: