China age para criar lei que limita protestos e ‘secessão’ em Hong Kong

EUA já estudam impor sanções à China caso lei que viola conceito de "um país, dois sistemas" seja aprovada
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A China vai impor uma lei para encerrar e punir atos considerados “lesivos à segurança nacional”, o que na prática limitaria a liberdade dos cidadãos de Hong Kong de protestar.

O anúncio foi feito nesta sexta (22), durante o Congresso do Povo, cerimônia de abertura do Parlamento chinês. As informações são do jornal “South China Morning Post“, de Hong Kong.

Para Beijing, o território de Hong Kong estaria sendo usado como “base de infiltração” de forças estrangeiras por conta dos protestos anti-governo que vem ocorrendo por ali.

China age para criar lei que limita protestos e 'secessão' em Hong Kong

Os oficiais do governo chinês, afirmou o jornal, já “estão sem paciência”. Veem a lei como forma de “banir secessão, interferência estrangeira e terrorismo na cidade“.

A justificativa do governo central é a de “oferecer melhor proteção à segurança da vida e da propriedade para a vasta maioria da população de Hong Kong”.

A lei deve ser votada no último dia da sessão anual do Parlamento, que termina na próxima quinta (28).

Sanções

Senadores norte-americanos estudam uma proposta de lei bipartidária que imporia sanções a funcionários do governo chinês e entidades envolvidas com a nova lei, informou o “The Wall Street Journal“.

Também seriam punidos bancos e empresas que tenham negócios com os sancionados. A proposta é dos senadores Chris van Hollen, democrata de Maryland, e Pat Toomey, republicano da Pensilvânia.

A comunidade internacional no Ocidente vê com imensas ressalvas propostas de “leis de segurança nacional” no território de Hong Kong.

Ex-colônia britânica, Hong Kong foi devolvida à China em 1997 sob a promessa de “um país, dois sistemas”. A autonomia do território é fundamental para potências ocidentais, como os EUA.

Na última semana, o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo afirmou que acompanha “de perto o que está acontecendo lá”.

Tags: