Segurança Internacional

‘Humanidade segue inaceitavelmente perto da aniquilação nuclear’, diz chefe da ONU

António Guterres clama pelo desarmamento nuclear e destaca que “quase 14 mil armas nucleares estão armazenadas em todo o mundo”

“A humanidade permanece inaceitavelmente perto da aniquilação nuclear“. A frase foi publicada no domingo (26) pelo secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), António Guterres, em sua conta de Twitter, para marcar o Dia Internacional pela Eliminação Total das Armas Nucleares.

Na mesma mensagem, ele destacou que “quase 14 mil armas nucleares estão armazenadas em todo o mundo” e afirmou que “Agora é a hora de levantar a nuvem do conflito nuclear para sempre, eliminar as armas nucleares de nosso mundo e inaugurar uma nova era de confiança e paz”.

Segundo o português, enfrentar a ameaça das armas nucleares tem sido fundamental para o trabalho das Nações Unidas desde seu início. Ele citou a primeira resolução da Assembleia Geral, em 1946, que traça como meta “a eliminação dos armamentos nacionais de armas atômicas e de todas as outras armas principais adaptáveis ​​à destruição em massa”.

O chefe da ONU destacou que, embora o número total de armas nucleares venha diminuindo há décadas, cerca de 14 mil estão estocadas em todo o mundo, que enfrenta o maior nível de risco nuclear em quase quatro décadas: “Os Estados estão melhorando qualitativamente seus arsenais, e estamos vendo sinais preocupantes de uma nova corrida armamentista”, afirmou ele.

Na quinta-feira (23), o chefe da ONU havia pedido que todos os países detentores de tecnologia nuclear assinassem o Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares (CTBT), que foi adotado em 1996 e já foi assinado por 185 países.

Porém, para que o CTBT entre em vigor, ele deve ser assinado e ratificado por 44 países detentores de tecnologia nuclear específicos, oito dos quais ainda não ratificaram o Tratado: China, Egito, Índia, Irã, Israel, Coreia do Norte, Paquistão e Estados Unidos.

“Permanecemos neste estado de limbo por muito tempo”, disse ele.

O secretário-geral da ONU, António Guterres: armas nucleares ainda são uma ameaça à humanidade (Foto: United States Mission/Eric Bridiers)

Sinais de esperança

Guterres afirmou que, por outro lado, existe um sinal positivo no sentido do desarmamento nuclear. Ele citou a decisão de Rússia e Estados Unidos de prorrogarem o Novo START (Tratado de Redução de Armas Estratégicas) como um sinal de esperança. E acrescentou que o Tratado de Proibição de Armas Nucleares, que entrou em vigor em janeiro, também constitui uma medida bem-vinda.

A responsabilidade por esses desenvolvimentos, disse o Secretário-Geral, recai sobre os Estados-Membros. Ele descreveu a Conferência de Revisão das Partes do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, programada para ocorrer em janeiro de 2022, como uma janela de oportunidade para todos os países tomarem medidas práticas a fim de prevenirem de forma abrangente o uso de armas nucleares e sua eliminação.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente em inglês pela ONU News