Bienal de Luanda começa no sábado com ações por futuro de paz na África

Músico brasileiro Yamandu Costa estará no evento, que terá chefes de Estado, membros de órgãos internacionais, diplomatas e outras personalidades
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A capital de Angola acolhe, a partir deste sábado (27), a Bienal de Luanda, com o título “Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz”. O evento conta com chefes de Estado, integrantes de governos, representantes de organizações internacionais, diplomatas e personalidades e realça o patrimônio cultural de Angola e da África.

A Bienal debate diversidade cultural, moda, cinema e turismo e faz parte da programação a ser divulgada através da plataforma digital Bienal TV, em português, inglês e francês.

O músico brasileiro Yamandu Costa, que estará no evento, gravou um vídeo sobre o papel dos artistas na cultura da paz e na ligação do continente africano e suas diásporas.

“A arte de uma maneira geral é um momento de elevação da compreensão humana. Então, porque não ser um instrumento de trazer paz, e trazer comunhão às pessoas. As artes sempre tiveram essa força de juntar nações e de fazer com que o entendimento seja possível. Eu considero a África como uma possibilidade de um futuro melhor para a humanidade”, diz ele no vídeo.

As sessões da Bienal de Luanda serão presenciais e virtuais, refletindo iniciativas de impacto para a paz e o desenvolvimento sustentável na África. A organização inclui o Governo de Angola, a União Africana e a Unesco (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, da sigla em inglês).

A diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, ressalta a cultura de paz num espaço de reflexão sobre o futuro promovendo a riqueza cultural dos países africanos e resiliência.

Apresentação durante a Bienal de Luanda 2019 (Foto: reprodução/Twitter)

A Constituição da Unesco promove o conceito de “Cultura de Paz” desde o Congresso Internacional sobre Paz nas Mentes dos Homens, realizado em Yamoussoukro, na Costa do Marfim, há 32 anos.

A Unesco junta este apelo à criação de uma estrutura regional sustentável como dita o “Plano de ação para uma cultura de paz em África” do Fórum Pan-Africano “Fontes e Recursos para uma Cultura de Paz”, realizado em Luanda em 2013.

A Unesco destaca, no entanto, que embora as oportunidades de desenvolvimento sustentável na África estejam crescendo, o continente ainda enfrenta muitos desafios. Entre eles estão os riscos de instabilidade e conflito.

Para a agência das Nações Unidas, a Bienal de Luanda é uma contribuição para promover a paz e a não-violência, com base em valores africanos compartilhados.

Conteúdo adaptado do material publicado originalmente pela ONU News

Tags: