Campanha russa por libertação de político envolveu até Charlie Sheen

Campanha inusitada tenta libertar Maxim Shugaley, consultor russo com ligações suspeitas, preso na Líbia em 2019
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A prisão do consultor político russo Maxim Shugaley na Líbia, em junho de 2019, despertou uma inusitada campanha movida pela Rússia para a sua libertação.

O movimento vai desde a instalação de manifestações de uma mulher só em frente à Embaixada da Líbia em Moscou até propagandas com atores como Charlie Sheen, famoso pela série de comédia “Dois Homens e Meio”.

A promoção de um torneio de MMA (artes marciais mistas), dois filmes, uma peça publicitária no jornal norte-americano “The Washington Post”, e até a eleições de Shugaley para um conselho local na Rússia – mesmo preso – são armas utilizadas para alertar sobre a sua prisão.

Trecho dos filmes produzidos pela Rússia para a campanha de libertação de Maxim Shugaley, disponível online (Foto: Reprodução/Shugaley)

Ainda não está claro o motivo para a campanha, segundo análise da revista norte-americana “Foreign Policy“. Shugaley é um agente político veterano, que já trabalhou em operações de influência russa na África.

Ele foi preso com seu intérprete enquanto faziam pesquisas sociológicas para a Fundação para Proteção de Valores Nacionais, com sede em Moscou.

Uma hipótese seria “derrotar” o Governo de Acordo Nacional da Líbia, apoiado pela ONU (Organização das Nações Unidas). Enquanto apoiadora e fornecedora de mercenários ao general renegado Khalifa Haftar, a Rússia pode tentar estabelecer uma posição para comunidade exterior.

“Para a Rússia, não existe uma ruptura direta de guerra e paz, forma como pensamos no Ocidente”, disse a pesquisadora do Instituto e Washington, Anna Borshchevskaya. “É um continuum“.

Preso eleito

Mesmo preso desde junho de 2019, Shugaley foi eleito para o parlamento regional de Komi, no noroeste da Rússia. O responsável por sua eleição, segundo a agência Meduza, seria Yevgeny Prigozhin.

Prigozhin seria um dos donos da Wagner Group, empresa privada que forneceria mercenários às forças de Haftar. O homem também foi apontado como o dono do navio que explodiu no porto de Beirute, no Líbano, em agosto.

Um possível objetivo pode ser a esperança de que a eleição ajude a garantir a sua libertação, disse Emadeddin Badi, membro sênior do Conselho do Atlântico.

Ao convertê-lo em um “político”, Prigozhin poderia maximizar seus vínculos com Vladimir Putin e ter acesso direto à Turquia. “A libertação seria parte de um processo mais amplo em termos políticos e militares”, completou Badi.

Os vídeos de Sheen já foram removidos do Youtube. Há, no entanto, dois filmes disponíveis para o público gratuitamente no Google.

Tags: