Com pandemia sob controle, Cuba sofre com escassez de turistas e falta de alimentos

Cuba vive a pior escassez de alimentos em quase 25 anos após queda drástica no turismo e sanções dos EUA
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Desde o início da pandemia, Cuba sofre com a escassez de turistas e as sanções reimpostas dos Estados Unidos desde 2017. O binômio gerou o pior desabastecimento nos supermercados da ilha em quase 25 anos.

Com as políticas de isolamento e distanciamento social, houve drástica redução das fontes de receita vindas do turismo, que representam quase 10% do PIB (Produto Interno Bruto) do país.

Graças à escassez de recursos, o governo cubano tem limitado a venda de produtos a lojas estatais, que cobram em dólar. Os valores, no entanto, são muito superiores ao poder aquisitivo médio e já há falta de mercadorias.

Com pandemia controlada, Cuba sofre com escassez de turistas e alimentos
Com pandemia, maioria da população está em quarentena desde o primeiro caso de contágio por coronavírus no país, em março. Na foto, mulher observa a rua da capital cubana, Havana, em julho de 2004 (Foto: Flickr/Jan Arendtsz)

“A carne nessa lata é muito cara, mas cada um de nós comprou uma porque, às vezes, em caso de emergência, não há carne em lugar nenhum”, disse o guia de turismo desempregado, Rainer Sánchez, que pagou US$ 3 no item, ao jornal “The New York Times”.

Segundo Sánchez, quem espera nas filas nos supermercados cubanos pode permanecer em pé por até 10 horas. O modelo é semelhante ao implementado logo após a derrocada da União Soviética, no início dos anos 1990, também acompanhada de forte declínio da receita local.

“As lojas cobram em um dólar e os cubanos não ganham isso”, disse o médico Lazaro Hernández ao diário norte-americano. “Aqui se marca a diferença entre as classes.”

O jornal relata que havia um presunto de oito quilos por US$ 230 e um queijo manchego a US$ 149. A maioria dos produtos nas lojas são, no momento, importados.

Isolamento econômico

Desde o início de seu governo, em 2017, o presidente norte-americano, Donald Trump, trabalha para fortalecer o embargo comercial iniciado nos anos 1960 e limitar as fontes de receita do governo de Cuba.

Depois de estabelecer sanções às empresas petroleiras da Venezuela que abasteciam Havana, os EUA cortaram todos os voos comerciais para a ilha. A rota norte-americana havia sido restabelecida em acordo durante o governo Barack Obama, entre 2009 e 2016.

A queda no turismo é um dos problemas centrais gerados pela pandemia na América Latina e no Caribe. O México também foi fortemente afetado.

A despeito da queda na demanda turística, Cuba manteve a pandemia sob controle, com pouco mais de 100 mortes pelo novo coronavírus. A combinação de Estado policial e sistema básico de saúde público e abrangente auxiliou o governo Díaz-Canel a conter as infecções.

Especula-se que a próxima medida econômica do governo será realizar a primeira desvalorização oficial do peso desde a ascensão de Fidel Castro ao poder na ilha, em 1959. A meta seria unificar a oferta monetária.

Tags: