Em golpe final à China, Trump suspende licenças da Huawei e sanciona Xiaomi

Notificação barra empresas dos EUA a trabalhar com peças produzidas pela Huawei; Intel é uma das afetadas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Dois dias antes de deixar a presidência dos EUA, na quarta-feira (20), Donald Trump suspendeu as licenças de venda a fornecedores da Huawei e incluiu a fabricante de celulares Xiaomi na “lista negra” do país.

A notificação barra diversas empresas norte-americanas de trabalhar com peças produzidas na China. Uma das mais afetadas é a fabricante de chips californiana Intel.

Neste domingo (17), fontes disseram à Reuters que Trump ainda pretende banir dezenas de outros aplicativos ligados à Huawei. A ação vem combinada a esforços dos EUA para enfraquecer empresas com origem na China em território norte-ameircano.

Em golpe final à China, Trump suspende licenças a Huawei e sanciona Xiaomi
Prédio da Huawei no Canadá (Foto: Raysonho/Wikimedia Commons)

O Departamento de Comércio dos EUA também indicou a “tendência de negar” um número significativo de licenças de exportação para a empresa. Já a Xiaomi deve enfrentar restrições nos investimentos em seus títulos nos mercados dos EUA.

Na “lista negra”, Washington acusa a fabricante de smartphones de manter ligações militares com a terceira maior empresa de petróleo do país durante perfuração do Mar da China Meridional.

A fabricante estatal chinesa de aviões Comac também passou a integrar a relação, destacou a Bloomberg. Em meio a disputas tecnológicas e comerciais que se acentuaram desde o início da pandemia, Washington vê as gigantes chinesas como “ameaças à segurança nacional”.

“Intimidação”, acusa Beijing

Em entrevista coletiva em Beijing na sexta-feira (15), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, afirmou que tomará as medidas necessárias contra Washington.

“Esta medida do governo Trump mais uma vez demonstra ao público, à comunidade internacional, o que é unilateralismo, padrões duplos e intimidação”, disse.

“Apoiaremos nossas empresas para proteger e defender seus direitos e interesses de acordo com a lei”. Antes mesmo de assumir a Presidência dos EUA, Joe Biden se comprometeu a desenvolver uma estratégia distinta contra a China.

Uma ordem executiva assinada por Trump no ano passado, contudo, força os investidores a desfazer as participações em empresas chinesas designadas até novembro.

Tags: