Guerra às drogas já soma 39 mil cadáveres sem identificação no México

Mais de 27 mil corpos foram enterrados em valas comuns, diz ONG; crise forense atinge níveis alarmantes
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

A guerra declarada pelo governo aos cartéis do narcotráfico no México já somou cerca de 39 mil cadáveres não identificados nos necrotérios do país. Os dados estão na investigação da ONG Quinto Elemento Labs, divulgada na terça (22).

A entidade identificou que mais de 27 mil corpos sem nome ou família (70% do volume total) foram enterrados em valas comuns sem autópsias adequadas. O restante foi deixado em em casas funerárias e mais de 2,5 mil foram entregues a escolas de medicina.

“É possível que estudantes estejam aprendendo com corpos de pessoas procuradas por suas famílias”, destaca o relatório.

Guerra às drogas já soma 39 mil cadáveres sem identificação  no México
Cartazes de desaparecidos na Cidade do México, capital mexicana, em maio de 2019 (Foto: WikiCommons/Wotancito)

Em 2006, ano em que o então presidente Felipe Calderón declarou a chamada “guerra às drogas”, o número de cadáveres não identificados nos necrotérios mexicanos foi de 178, relatou a ONG.

Conforme aumentava a taxa de homicídios, o número de pessoas não identificadas aumentou 1.032% até 2019.

De acordo com a ONG, a guerra militarizada do México contra os cartéis que dominam fatias cada vez maiores do território já matou cerca de 300 mil pessoas nos últimos 14 anos. Até hoje, 73 mil estão desaparecidas.

Crise forense

A ONG denuncia que os necrotérios mexicanos não têm mais espaço para armazenar os corpos não identificados. Em consequência, autoridades locais buscam soluções improvisadas, como reboques refrigerados.

Tornaram-se conhecidos entre os mexicanos os fortes odores de necrotérios superlotados em cidades como Tijuana, na fronteira com os Estados Unidos e considerada a mais violenta do país, e Chilpancingo, no estado de Guerrero – conhecido pelo alto volume de tráfico e produção de heroína.

Em 2018, os odores da decomposição de 273 cadáveres chamaram a atenção em Guadalajara, capital do estado de Jalisco. Mortos não identificados estavam em um trailer estacionado em um bairro suburbano.

Tags: