Nome da extrema direita na Bolívia diz que renúncia de Evo Morales foi golpe

Em entrevista polêmica, Chi Hyun Chung afirmou que ex-presidente da Bolívia não devia ter deixado o poder
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O candidato da extrema direita à Presidência da Bolívia, Chi Hyun Chung, causou espanto ao afirmar em uma entrevista ao vivo que a renúncia de Evo Morales foi fruto de um golpe, na última quinta (24).

Chung ainda apontou que o atual ministro da Defesa, Luis Fernando Camacho, e o líder da direita bolivariana, Carlos Mesa, “deveriam ser presos” pelo golpe, registrou o jornal espanhol “La Razón”.

A declaração causou espanto devido às posições políticas do candidato. Mais à direita no espectro político e autor de frases polêmicas, o é com frequência comparado com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

Candidato da direita diz que renúncia de Evo Morales foi fruto de golpe
O candidato à presidência da Bolívia, Chi Hyun Chung, em comício na cidade de Santa Cruz (Foto: Twitter/Chi Hyun Chung)

Na entrevista, Chung julgou “fraudulentos” os movimentos para tirar Morales do poder. “Se você fala em corrupção, quem tem que estar na cadeia? Evo Morales ou quem deu o golpe?”, disse.

O candidato referiu-se às acusações de fraude e desvio de dinheiro contra o ex-presidente exilado na Argentina desde novembro.

Morales foi reeleito em 20 de outubro. Horas depois do resultado do pleito, seu opositor, Carlos Mesa, mobilizou protestos em todo país. Com o auxílio das Forças Armadas, em 2 de novembro, lideranças de todo país pressionaram pela saída do ex-presidente do poder.

Entre idas e vindas, as eleições presidenciais da Bolívia estão agendadas para o dia 18 de outubro. Mesmo após a saída de Morales, o país vive protestos e uma crise acentuada pela pandemia do novo coronavírus.

Tags: