Artigos

Em alta, preços de energia podem não diminuir até o próximo ano

Artigo explica os preços crescentes do gás natural, com alta recorde na Europa e na Ásia, e como eles atingem outros setores, entre eles o do petróleo

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no blog do FMI

Por Andrea Pescatori, Martin Stuermer e Nico Valckx

Uma combinação de fatores sem precedentes está agitando os mercados mundiais de energia, reacendendo as memórias da crise energética dos anos 1970 e complicando uma perspectiva já incerta para a inflação e a economia globais.

Os futuros de energia indicam que os preços devem moderar nos próximos meses.

Os preços spot do gás natural mais do que quadruplicaram para níveis recordes na Europa e na Ásia, e a persistência e a dimensão global desses aumentos de preço são sem precedentes. Normalmente, esses movimentos são sazonais e localizados. Os preços asiáticos, por exemplo, tiveram um salto semelhante no ano passado, mas esses não se propagaram com um aumento semelhante associado na Europa.

Nossa expectativa é que esses preços voltem a níveis mais normais no início do próximo ano, quando o aquecimento da demanda diminuir e a oferta se ajustar. No entanto, se os preços continuarem altos como estão, isso pode começar a ser um entrave ao crescimento global.

Enquanto isso, o efeito cascata está sendo sentido nos mercados de carvão e petróleo. Os preços do petróleo bruto Brent, a referência global, atingiram recentemente uma alta em sete anos, acima de US$ 85 por barril, à medida que mais compradores buscavam alternativas para aquecimento e geração de energia em meio à oferta já apertada. O carvão, o substituto mais próximo, está em alta demanda, à medida que as usinas o utilizam mais. Isso empurrou os preços para o nível mais alto desde 2001, levando a um aumento nos custos de licenças de emissão de carbono na Europa.

Base de petróleo na Angola: preço do gás natural reflete no petróleo e no carvão (Foto: UN Photo)

Queda, boom e oferta inadequada

Diante desse cenário, é útil olhar para trás, para o início da pandemia, quando as restrições interromperam muitas atividades na economia global. Isso causou um colapso no consumo de energia, levando as empresas de energia a reduzir seus investimentos. No entanto, o consumo de gás natural se recuperou rapidamente – impulsionado pela produção industrial, que responde por cerca de 20% do consumo final de gás natural – aumentando a demanda em um momento em que os suprimentos eram relativamente baixos.

O fornecimento de energia, de fato, tem reagido lentamente aos sinais de preço devido à escassez de mão de obra, atrasos de manutenção, prazos mais longos para novos projetos e pouco interesse de investidores em empresas de energia de combustíveis fósseis. A produção de gás natural nos Estados Unidos, por exemplo, permanece abaixo dos níveis anteriores à crise. A produção na Holanda e na Noruega também caiu. E o maior fornecedor da Europa, a Rússia, recentemente desacelerou seus embarques para o continente.

O clima também exacerbou os desequilíbrios do mercado de gás. O severo frio do inverno e o calor do verão no hemisfério norte aumentaram a demanda de aquecimento e resfriamento. Enquanto isso, a geração de energia renovável foi reduzida nos Estados Unidos e no Brasil por secas, que reduziram a produção de energia hidrelétrica porque os reservatórios ficaram baixos, e no norte da Europa pela geração eólica abaixo da média neste verão e outono.

Suprimentos e estoques de carvão

Embora o carvão possa ajudar a compensar a escassez de gás natural, alguns desses suprimentos também são interrompidos. Fatores logísticos e relacionados ao clima paralisaram a produção da Austrália à África do Sul, enquanto a produção de carvão na China, o maior produtor e consumidor do mundo, caiu em meio a metas de emissões que desincentivam o uso e a produção de carvão em favor de energias renováveis ​​ou gás.

Na verdade, os estoques de carvão da China estão em níveis recordes, o que aumenta a ameaça de escassez no fornecimento de combustível no inverno para as usinas de energia. E na Europa, o armazenamento de gás natural está abaixo da média antes do inverno, aumentando o risco de mais aumentos de preços, já que as concessionárias competem por recursos escassos antes da chegada do tempo frio.

Preços de energia e inflação

Os preços do carvão e do gás natural tendem a ter menos efeito sobre os preços ao consumidor do que o petróleo, porque as contas de eletricidade e gás natural são frequentemente reguladas e os preços são mais rígidos. Mesmo assim, no setor industrial, os preços mais altos do gás natural estão enfrentando produtores que dependem do combustível para fabricar produtos químicos ou fertilizantes. Essas dinâmicas são particularmente preocupantes, pois estão afetando as perspectivas de inflação já incertas em meio a interrupções na cadeia de suprimentos, aumento dos preços dos alimentos e demanda firme.

Caso os preços da energia permaneçam nos níveis atuais, o valor da produção global de combustíveis fósseis como parcela do produto interno bruto neste ano aumentaria de 4,1% (estimado em nossa projeção de julho) para 4,7%. No próximo ano, a participação pode chegar a 4,8%, acima dos 3,75% projetados em julho. Supondo que metade desse aumento nos custos de petróleo, gás e carvão seja devido ao fornecimento reduzido, isso representaria uma redução de 0,3 ponto percentual no crescimento econômico global neste ano e cerca de 0,5 ponto percentual no próximo.

Obra do mega Nord Stream 2: Rússia é maior fornecedora de gás para a Europa (Foto: Pjotr Mahhonin/Wikimedia Commons)

Preços de energia se normalizam no próximo ano

Embora interrupções no fornecimento e pressões de preços representem desafios sem precedentes para um mundo que já luta com uma recuperação pandêmica desigual, o forro de prata para os formuladores de políticas é que a situação não se compara ao choque de energia do início dos anos 1970.

Naquela época, os preços do petróleo quadruplicaram, atingindo diretamente o poder de compra das famílias e das empresas e, eventualmente, causando uma recessão global. Quase meio século depois, dado o papel menos dominante que o carvão e o gás natural desempenham na economia mundial, os preços da energia precisariam aumentar muito mais significativamente para causar um choque tão dramático.

Além disso, esperamos que os preços do gás natural se normalizem no segundo trimestre, à medida que o final do inverno na Europa e na Ásia diminua as pressões sazonais, conforme indicam os mercados futuros. Os preços do carvão e do petróleo também devem cair. No entanto, a incerteza permanece alta, e pequenos choques de demanda podem desencadear novos aumentos de preços.

Opções de política difíceis

Isso significa que os bancos centrais devem olhar para as pressões de preços de choques transitórios no fornecimento de energia, mas também estar prontos para agir mais cedo – especialmente aqueles com estruturas monetárias mais fracas – se os riscos concretos de desfasamento das expectativas de inflação se materializarem.

Os governos devem agir para evitar quedas de energia devido às concessionárias que restringem a geração, caso ela se torne não lucrativa. Os apagões, principalmente na China, podem prejudicar as atividades químicas, siderúrgicas e de manufatura, aumentando as interrupções da cadeia de suprimentos global durante a alta temporada de vendas de bens de consumo. Finalmente, como as contas de serviços públicos mais altas são regressivas, o apoio às famílias de baixa renda pode ajudar a mitigar o impacto do choque de energia nas populações mais vulneráveis.