Ásia e Pacífico

Ataque taleban à agência de inteligência mata ao menos 11 no Afeganistão

Outras 60 pessoas teriam ficado feridas no ataque contra a Diretoria de Segurança Nacional, no norte do país

Um atentado do Taleban contra a principal agência de inteligência do Afeganistão matou pelo menos 11 agentes de segurança e deixou cerca de 60 feridos, em sua maioria civis, nesta terça (13).

De acordo com a Radio Free Europe, um grupo de militantes detonou um carro-bomba na entrada da Diretoria de Segurança Nacional em Aybak, cidade no norte do país. Em seguida, eles invadiram o prédio.

O governador da província onde fica a cidade afirmou à reportagem que o ataque durou horas e terminou com a morte de quatro homens do Taleban. Mais tarde, um porta-voz da insurgência reivindicou as duas ações.

O atentado desta terça acontece em meio à intensificação dos ataques do Taleban no norte do Afeganistão. Um dia antes, os insurgentes atacaram postos de controle na província de Kunduz, matando pelo menos 14 membros da força de segurança.

Na província de Badakhshan, no norte do país, sete pessoas morreram em ataque semelhante. Em Parwan, próxima à capital Cabul, foram quatro mortes.

Ataque taleban à agência de inteligência mata pelo menos 11 pessoas no Afeganistão
Agente da Diretoria de Segurança Nacional do Afeganistão (Foto: Departamento de Defesa dos EUA/Reprodução)

Acordo Taleban-EUA

As ações contrariam o acordo firmado entre o Taleban e os Estados Unidos, em fevereiro deste ano. A tratativa previa negociações diretas entre o grupo militante e o governo em Cabul.

O objetivo é colocar um fim na guerra de quase duas décadas. Pelo acordo, o Taleban se compromete a não permitir o uso do território afegão por grupos jihadistas para treinar, recrutar ou angariar recursos.

Já os EUA concordaram em retirar suas tropas e as de seus aliados do país até julho deste ano. Os norte-americanos tem 8,6 mil militares no Afeganistão.

As duas partes vem trocando acusações sobre um recente surto de ataques em todo o país. O Taleban acusa o governo de atrasar o início das conversações. O presidente Ashraf Ghani diz que o aumento da violência ameaça o processo de paz com o grupo.

No último dia 1º, os EUA afirmaram que Taleban tem desrespeitado o acordo e continua em contato próximo com a Al-Qaeda.