Diplomacia

Rússia teria oferecido recompensa a afegãos para matar tropa dos EUA

Denúncia foi apurada junto a militantes afegãos presos pelos Estados Unidos e discutida já em março

Uma unidade de inteligência militar da Rússia teria oferecido recompensa a militantes afegãos ligados ao Taleban que matassem forças da coalizão no Afeganistão, incluindo tropas dos Estados Unidos.

De acordo com o jornal norte-americano “The New York Times“, a descoberta foi feita há meses pelos oficiais de inteligência dos EUA. O fato chegou a ser discutida em uma reunião de diversas agências do governo na Casa Branca, em março.

A acusação é feita com base em interrogatórios de militantes e criminosos afegãos capturados pelos norte-americanos. Não é descrito como os alvos seriam escolhidos, como talebans e russos estariam se comunicando ou como seriam realizados os pagamentos.

Cerca de 20 norte-americanos teriam morrido no Afeganistão no ano passado, mas não há informações de quantas mortes estão sob suspeita.

As autoridades norte-americanas discutiram algumas opções para lidar com a situação. Entre elas estão uma queixa diplomática a Moscou, sanções contra o país e a exigência de que a Rússia pare com a oferta de recompensa. Nenhuma medida teria sido autorizada.

A ação é ligada ao braço da agência de inteligência militar russa, conhecido como GRU. A unidade estaria ligada ao envenenamento de Sergei Skripal, um ex-oficial do GRU acusado de traição, na Inglaterra, e à interferência na eleição dos EUA.

Caso se confirmem, as ofertas de recompensa seriam mais um passo russo na guerra híbrida contra os Estados Unidos. É parte da estratégia de desestabilização do adversário por meio de táticas como ciberataques, disseminação de fake news e operações militares encobertas.

Segundo o Times, o Kremlin não teria sido informado das acusações. Já o porta-voz do Taleban negou que os insurgentes tenham relações com qualquer agência de inteligência.

Rússia teria oferecido recompensa a afegãos para matar tropa dos EUA
Soldados norte-americanos em patrulha em Kunar, no Afeganistão (Foto: Sgt. Jennifer Cohen/ISAF Headquarters Public Affairs Office)

Postura norte-americana

O presidente Donald Trump adotou uma postura acomodatícia em relação a Moscou nos últimos meses. Essa decisão contradiz as orientações de alguns de seus conselheiros mais próximos, partidários de táticas mais agressivas contra os russos.

Em 2018, o presidente norte-americano afirmou acreditar na negativa de Vladimir Putin sobre a suposta interferência do Kremlin na eleição presidencial de 2016 nos EUA. Também criticou projeto de lei que impunha sanções contra a Rússia, após aprovação da proposta, sem chance de veto, pelo Congresso.

Logo antes da denúncia, o Executivo norte-americano havia sinalizado interesse em convidar a Rússia para a reunião ampliada do G7. O convite ocorreria em meio a tensões entre as forças armadas dos dois países, com interceptação de aviões militares russos e norte-americanos em território internacional.

Guerra no Afeganistão

Trump tenta fazer um acordo de paz com o Taleban para acabar com a guerra no Afeganistão. Em fevereiro, as duas partes firmaram um acordo que prevê a retirada todas as tropas, aliados e civis não-diplomáticos do país em um prazo de 14 meses.

Em contrapartida, os insurgentes devem evitar que grupos terroristas, como Al-Qaeda e Estado Islâmico, utilizem territórios afegãos controlados pelo Taleban para ataques contra os norte-americanos e seus aliados.

No início deste ano, quatro norte-americanos foram mortos em combate em território afegão. Porém, o Taleban não atacou tropas dos EUA desde o acordo.

Os militares norte-americanos também reduziram drasticamente suas ações no país desde o início da pandemia do novo coronavírus.

Já houve acusação, por parte dos norte-americanos e afegãos, de que a Rússia fornecia armas e outros tipos de apoio ao Taleban. As autoridades russas negam.