Ásia e Pacífico

Nova Zelândia abandona turnê de críquete no Paquistão alegando ‘alerta de segurança’

A minutos do começo do jogo, o Conselho de Críquete da Nova Zelândia alegou alerta do governo e cancelou o compromisso

O taco nem chegou a rebater a bola na turnê do time de críquete da Nova Zelândia pelo Paquistão. Alegando preocupações com segurança, a equipe cancelou nesta sexta-feira (17) as exibições pouco antes do início da primeira partida, que ocorreria na cidade de Rawalpindi. A informação é da agência catari Al Jazeera.

Estava tudo preparado para o primeiro confronto entre as seleções dos países em 18 anos. Porém, a minutos do começo do jogo, o Conselho de Críquete da Nova Zelândia (NZC, da sigla em inglês) comunicou que, por conta de um alerta de segurança emitido pelo governo, estava “abandonando” o compromisso.

“Seguindo uma escalada nos níveis de ameaça do governo da Nova Zelândia para o Paquistão, e conselhos dos assessores de segurança do NZC no local, foi decidido que os Boinas Negras não continuarão com a turnê”, disse o comunicado.

Estádio Gadaffi, em Lahore, que sediaria cinco partidas da turnê dos “Black Caps” (Foto: Younisjunejo/Wikimedia Commons)

O Quadro de Críquete do Paquistão (PCB, da sigla em inglês), afirmou que preparou uma estrutura de segurança “infalível”, e que a decisão pelo cancelamento da tour foi tomada “uniliteralmente” pelo NZC. O evento previa três partidas ao modo One Day International (ODI, uma das principais formas de competição no críquete) em Rawalpindi e cinco T20s (Críquete T20, uma variação da forma original do esporte) na cidade oriental de Lahore.

“O PCB está disposto a continuar com as partidas programadas. No entanto, os amantes do críquete no Paquistão e em todo o mundo ficarão desapontados com esta retirada de última hora”, disse um comunicado do órgão esportivo.

Primeiro-ministro garantiu segurança

Segundo o Ministério da Informação paquistanês, o premiê do Paquistão, Imran Khan, conversou com a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern nesta sexta, de modo a tranquilizá-la sobre a segurança da equipe.

“Khan estava em contato com a primeira-ministra e assegurou-lhe que a equipe da Nova Zelândia estava recebendo segurança infalível no Paquistão, e o PCB disse que a própria equipe de segurança neozelandesa expressou satisfação com os arranjos de segurança do Paquistão”, disse o Ministro da Informação, Fawad Chaudhry.

Já o presidente-executivo do NZC, David White, alegou ser inviável continuar com a turnê, considerando o alerta.

“Eu entendo que isso será um golpe para o PCB, que tem sido um anfitrião maravilhoso, mas a segurança dos jogadores é fundamental e acreditamos que esta seja a única opção responsável”, disse ele.

A Associação de Jogadores da Nova Zelândia acatou a decisão de abandonar o torneio.

O cancelamento do evento frustra os esforços do Conselho de Críquete do Paquistão para retomar internacionalmente o esporte no país, depois que a seleção nacional foi forçada a jogar no exílio por seis anos após um ataque em 2008 ao time de críquete do Sri Lanka em Lahore.

O episódio também lança dúvidas sobre uma turnê da seleção masculina de críquete da Inglaterra pelo país, marcada para outubro.