Fechamento de fronteiras e testes pré-viagem são pouco eficazes, diz UE

ECDC afirma que restrições trouxeram impactos econômicos graves mas apenas atrasou a chegada do vírus
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

O fechamento de fronteiras teria ajudado pouco a evitar a propagação do novo coronavírus, afirmou o ECDC (Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças) nesta terça (26). As informações são da agência de notícias Reuters.

Para a agência da União Europeia, o fechamento das fronteiras só teria ocasionado impactos econômicos. A tática foi eficaz apenas para atrasar o início da pandemia e a chegada da Covid-19 em regiões isoladas.

A Comissão Europeia, braço executivo da União, recomendou em abril que as medidas de restrição contra viagens fossem flexibilizadas. Desde então, Bruxelas tem encorajado governos a reabrir a fronteira para países considerados mais seguros.

Outra medida ineficaz, na avaliação do órgão, foi a testagem de viajantes antes de viagem ou triagens por temperatura na chegada de estrangeiros. Isso não significa, segundo o ECDC, que viagens não facilitem a propagação do vírus.

Fechamento de fronteiras e testes pré-viagem são pouco eficazes, diz agência da UE
Medidas de segurança no Aeroporto de Roma, na Itália, em fevereiro de 2020 (Foto: Cruz Vermelha/Reprodução)

Os testes não seriam confiáveis, segundo a agência, já que a contaminação poderia ocorrer pouco antes das partidas ou durante a viagem. Já a triagem por temperatura não seria eficaz pela possibilidade de o infectado estar assintomático.

O ECDC afirma que os dados epidemiológicos não podem ser considerados totalmente confiáveis. Isso os países europeus não utilizam uma abordagem única para testes e registros de casos, tornando impossível comparar a propagação do coronavírus.

Tags: