Democracia no Mundo

Parlamentar russo pede exame sobre envenenamento de Kara-Murza

Opositor do governo russo ‘adoeceu repentinamente’ em 2015 e em 2017 em ação semelhante à contra Alexei Navalny

O parlamentar Lev Shlosberg instou as autoridades da Rússia a “investigar adequadamente” as duas supostas tentativas de envenenamento do opositor ao Kremlin, Vladimir Kara-Murza, em 2015 e em 2017.

Em entrevista à RFE (Radio Free Europe) no dia 5, Shlosberg afirmou que a demanda é uma “luta pelo país”. O parlamentar também deve incluir o pedido de investigação pela tentativa de assassinato de Alexei Navalny, em agosto.

“Não é apenas a busca pela verdade e pela legalidade, mas também a luta por aqueles que estão vivos e podem morrer se a violência do Estado continuar sem controle”, disse o político do partido Yabloko, de orientação liberal.

Parlamentar russo pede exame sobre suposto envenenamento de Kara-Murza
O opositor ao Kremlin, Vladimir Kara-Muztra, poucos meses após a recuperação de adoecimento repentino em palestra à Comissão de Helsinque, nos EUA, em fevereiro de 2018 (Foto: Divulgação/U.S. Helsinki Commission)

A polícia russa já ignorou dois pedidos de Kara-Murza para abrir uma investigação sobre as circunstâncias de seu “adoecimento repentino”. Assim como Navalny, o político adoeceu de forma grave e súbita durante uma reunião em Moscou, em maio de 2015.

Dois anos depois, em fevereiro de 2017, o opositor apresentou falência múltipla dos órgãos, também na capital russa. À época, o diagnóstico médico definiu que havia a presença de uma “toxina não especificada”.

Apesar das diversas falhas e documentos extraviados, o FBI (Departamento Federal de Investigações dos EUA, em inglês) apontou o adoecimento de Kara-Murza como “envenenamento intencional”. O órgão norte-americano, porém, não identificou as substâncias usadas.

Conforme Shlosberg, os pedidos de investigação seguirão a lei russa e obrigarão o Comitê de Investigação a dar uma resposta por meio de um procedimento legal.

“Ou eles se recusarão a iniciar um processo criminal, ou decidirão realizar uma verificação ou abrirão um processo completo”, afirmou. “Deixe-os ver a lei. Eles devem responder aos legisladores”. O parlamentar afirmou que, caso não receba resposta, recorrerá ao Ministério Público.

Equipe de profissionais

Em entrevista à Deutsche Welle em fevereiro, Kara-Murza afirmou que a mesma “equipe de assassinos profissionais” que planejou o seu envenenamento está por trás do ataque a Navalny, na Sibéria, em agosto.

“Nos acostumamos com o regime de [Vladimir] Putin e nossas faculdades críticas não são tão afiadas quanto poderiam ser”, disse. “Devíamos estar mais chocados com o fato de que, em pleno século 21, o Estado russo persegue seus oponentes usando envenenamentos”.

Kara-Murza afirmou que, por medidas de segurança, sua família já deixou a Rússia. “Quanto a mim e a outros oposicionistas, fugir seria um presente para Putin”.