Boris Johnson tem elevado apoio à independência da Escócia, diz estudo

Pela primeira vez, pouco mais da metade dos escoceses apoiam o processo de independência do Reino Unido
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Apesar de se opor à independência da Escócia, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, tem impulsionado eleitores indecisos escoceses a concordarem com a separação do país.

O movimento está registrado na pesquisa da JL Partners, publicada em setembro no portal Politico. Contrários às atuais políticas de combate à Covid-19 e ao Brexit, 56% dos escoceses são favoráveis a deixar o Reino Unido pela primeira vez na história britânica moderna.

Na realização do primeiro referendo, em 2014, 55% eram contrários à separação. “A maior ameaça para o futuro do Reino Unido é o primeiro-ministro, toda vez que ele abre a boca”, disse o líder trabalhista Keir Starmer, no dia 18.

Nesta segunda-feira (30), a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, garantiu que pedirá autorização ao governo britânico para organizar um segundo referendo sobre a independência do país.

Políticas de Boris Johnson impulsionam apelo à independência da Escócia
Marcha pela independência da Escócia na capital Edimburgo, em junho de 2017 (Foto: CreativeCommons/Ian Cunliffe)

Líder do SNP (Partido Nacional Escocês, em inglês), Sturgeon se prepara para concorrer novamente às eleições regionais do país, programadas para maio de 2021.

“Quero garantir o direito da Escócia de decidir seu futuro”, disse ela em cúpula virtual do partido. Com resultado positivo à sigla, aumenta a possibilidade de um novo referendo sobre a divisão da Grã-Bretanha.

Queda de braço antiga

reivindicação pela independência escocesa é uma forte corrente no país e já dura três séculos. A Escócia chegou a ser independente entre 843 a 1707, e sua reunificação ao Reino Unido é até hoje motivo de discussão entre nacionalistas.

Fontes ligadas a Boris Johnson afirmaram que o governo investirá em propaganda para enfatizar os benefícios econômicos britânicos e atacar o histórico político do SNP, apontou o portal Foreign Policy.

Apesar de não passar de especulação, analistas econômicos já apontam que, para deixar a Grã-Bretanha, a Escócia enfrentaria uma série de desafios pela frente. Um exemplo é a criação de sua própria autoridade monetária, orgão para a qualificar a entrada do país na União Europeia.


Tags: